Vasco 'ressuscita' o combalido São Paulo

Gazeta Press
Gazeta Press

Martin Silva pode estar dizendo "levanta-te e anda!" para o adversário caído


Alguns torcedores que viram a derrota do Vasco para o São Paulo por 1 a 0 podem ter considerado o resultado injusto. Dirão esses que pelo volume de jogo, posse de bola, finalizações, etc, etc e etc, um empate seria um placar mais condizente com o que foi apresentado em campo.


Eu até concordo que a partida foi parelha. Mas não dá pra falar que o placar foi injusto. O São Paulo talvez não tenha feito tanto assim pra justificar os três pontos, mas o Vasco pediu para perdê-los.


Não dá pra dizer que o Vasco merecia levar ao menos um pontinho do Morumbi sofrendo o gol que sofreu com menos de dois minutos de bola rolando. A incapacidade de segurar o placar zerado por 10, 15 minutos e cozinhar o jogo até o São Paulo começar a sentir a pressão da partida e da própria torcida foi uma amostra de incapacidade grande demais para quem esperava conseguir um empate. O gol tão cedo serviu para empolgar o tricolor e sua torcida, que apoiou seu time o tempo todo e vibrava com qualquer carrinho dado em campo.


Um time que teve suas melhores chances vindas de um volante, com chutes do meio da rua, também não pode dizer que teve uma atuação merecedora de uma vitória ou mesmo um empate. Se conseguimos manter a posse de bola por um bom tempo, ela foi muito pouco efetiva: as jogadas ofensivas foram muito poucas e as chances de gol raríssimas.


E, sejamos sinceros, um time que tem Escudero, Madson e Pikachu, todos juntos ao mesmo tempo como titulares, não pode esperar muito por um bom resultado.


No fim das contas, o Vasco foi o adversário perfeito para dar a moral que o São Paulo precisava na competição. Depois de passar as nove últimas rodadas sem conseguir uma vitorizinha sequer, encontrar um time desatento defensivamente e inofensivo no ataque era tudo o que o tricolor paulista rezava para ter pela frente. E nós cumprimos com muita competência a função de levantar o defunto são-paulino no campeonato.



As atuações….


Martin Silva – não chegou a ter muito trabalho e nada poderia ter feito no gol.


Madson – não fez uma partida horrorosa, mas nada justifica sua súbita titularidade. Não se destaca defensivamente e continua uma nulidade no apoio, acabando com praticamente todas as jogadas ofensivas que inicia.


Rafael Marques – foi envolvido algumas vezes pelos jogadores do São Paulo, principalmente pela sua impressionante lentidão.


Paulão – completamente perdido no lance do gol. No mais, chutões para onde apontava o nariz (isso quando conseguia chegar nas bolas).


Ramon – ajudou o time a chegar ao ataque com suas subidas, mas poderia evitar as tentativas de finalização a distâncias quilométricas do gol.


Jean – ontem teve uma atuação discreta, se limitando ao combate.


Bruno Paulista – seus chutes de longa distância resultaram nas únicas chances de gol no primeiro tempo. Se deixar de ser o canelinha de vidro que tem sido, pode cumprir bem a função do Douglas. Mais uma vez saiu machucado, dando lugar ao Evander, que acertou um belo lançamento e perdeu o gol mais feito do Vasco, no fim do segundo tempo.


Yago Pikachu – correu muito, produziu muito pouco. Não cria jogadas e não consegue fazer a ligação entre os volantes e os meias de criação. Deu lugar ao Guilherme Costa, que passou mais tempo no chão que conduzindo a bola. Ainda assim foi mais eficiente que o Pokémon.


Escudeiro – já disse a que veio logo no começo do jogo, não conseguindo dominar a bola que originou o gol do São Paulo. No resto do jogo, um monte de passes errados e uma tremenda incapacidade para criar jogadas. Acertou apenas um bom passe no jogo, isso já no fim da partida.


Wagner – vinha razoavelmente, tentando criar jogadas e ajudando a fechar os espaços no meio de campo. Podia tentar imprimir mais velocidade ao ataque e cadenciar menos a bola. Se machucou sozinho e saiu para a entrada do Paulinho, que começou querendo mostrar serviço e deu trabalho à defesa paulista.


Thalles – isolado no ataque, pouco conseguiu fazer. Teve que recuar para participar do jogo e tentou algumas tabelas, sem resultado prático.