Zaga enterra o Vasco na estreia do Brasileirão

www.vasco.com.br
www.vasco.com.br

Atuação desastrosa do zagueiro Jomar marcou a goleada sofrida pelo Vasco na estreia do Brasileiro


Perder para o atual campeão brasileiro, em sua casa, não chega a ser algo inesperado. Quando nosso time não está bem, não tem um elenco definido e ainda está longe de um acerto, menos inesperado ainda. Se tivéssemos perdido pelo placar do primeiro tempo e mantido o nível de atuação do começo do jogo, até poderíamos ter alguma esperança de que as coisas não fossem tão preocupantes.


Mas aí veio o segundo tempo, um gol sofrido antes do primeiro minuto de bola rolando, uma apatia inexplicável, e um Palmeiras que, se teve uma ajuda fundamental do Jomar para chegar aos 4 a 0, também poderia ter marcado mais gols.



Quem vê o placar de 4 a 0, pensa que foi um atropelo. Vocês viram que não foi" – Milton Mendes



Até dá pra concordar, em parte, com a declaração do técnico na sua coletiva. Mas é preciso ser realista e não ignorar o péssimo segundo tempo da sua equipe. Mesmo se levarmos em consideração a tarde desastrosa do Jomar e os gols perdidos por Douglas, Nenê, Mateus Vital e Pikachu no primeiro tempo, o discurso tranquilizador de Mendes perde seu efeito diante do que vimos na etapa final. A não ser que ele considere normal o time ir para o intervalo perdendo por 2 a 0 e, precisando buscar uma reação, voltar muito pior do que antes.


Pelo primeiro tempo, até há como encontrarmos pontos positivos nessa sacolada (a segunda seguida para um time da Série A, se lembrarmos da semifinal do Carioca). Mas se não fomos atropelados, como disse Milton Mendes, é impossível negar o sacode que sofremos.



As atuações….


Martin Silva – mesmo sofrendo quatro gols, foi o melhor do time. Nada poderia fazer nos gols sofridos e impediu alguns outros com boas defesas.


Gilberto – teve trabalho na marcação ao Dudu, algumas vezes se saindo bem e em outras não. Foi pouco efetivo no apoio. Bruno Gallo entrou em seu lugar e não conseguiu melhorar nem a marcação, nem a criação do time.


Rafael Marques – com um companheiro de zaga errando tudo o que é possível, acabou tendo mais trabalho do que poderia lidar. Foi bem em algumas bolas aéreas, mas não foi capaz de evitar a goleada.


Jomar – dois penais, quase um gol contra e uma lentidão de fazer inveja a um jabuti manco. A única coisa boa na sua atuação é a quase impossibilidade de fazer um jogo pior em toda sua carreira.


Henrique – os dois penais e o terceiro gol surgiram em jogadas pela nossa esquerda.


Jean – não conseguiu dar a proteção necessária à zaga e errou uma penca de passes. Deu lugar ao jovem Paulo Vitor, que não tinha muito o que fazer em um time que já parecia prostrado, mas mesmo com seus poucos 17 anos não mostrou se intimidar pela sua estreia entre os profissionais.


Douglas – um primeiro tempo muito bom, ajudando a fechar os espaços e criando jogadas quando via a oportunidade. Nessa etapa perdeu o gol mais feito do time. No segundo tempo caiu de produção, errando muitos passes bobos.


Yago Pikachu – para quem tem sido titular numa posição na qual não faltam concorrentes no elenco, foi discreto demais, ajudando muito pouco o time. Também desperdiçou uma boa chance no primeiro tempo.


Nenê - mesmo sem ter uma marcação especial, não acertou quase nada do que tentou.


Mateus Vital – começou muito bem a partida, buscando o jogo, criando jogadas e aparecendo para o arremate. Numa dessas, obrigou Fernando Prass a fazer um milagre para evitar nosso empate. No segundo tempo deu uma caída e sumiu um pouco do jogo.


Luis Fabiano – jogando sozinho no ataque e sem receber muitas bolas, acabou tendo que voltar para buscar o jogo. O problema é que isso não adiantou nada. Não chegou nem a finalizar. Deu lugar ao Kelvin, que fez o que sempre faz: um drible aqui, uma ciscada ali e nada de produtivo.


***


O jogo ainda estava 1 a 0 quando Yago Pikachu teve sua camisa acintosamente puxada dentro da área. Penal solenemente ignorado pela arbitragem. Pode ser que não mudasse o resultado da partida, mas mudaria a história do jogo.


Vamos ver quantos lances desses acontecerão nesse Brasileiro.