CSA 1 x 4 Sport - Uns gols e uns parágrafos

Para começar, o golaço de Rithely foi tão golaço que merecia acabar o jogo logo ali, aos doze minutos, pra turma ir dormir cedo. Simples assim.




Mas um time que ganhou com gol impedido contra o Sampaio Corrêa e com gol aos 50 do segundo tempo contra o Juazeirense, merece tomar um gol completamente idiota do CSA, nem que seja para escrever a palavra gol cinco vezes em um parágrafo.


Porque bastou voltar do intervalo para Everton Felipe, vulgo Hércules da Ilha, fazer um gol, dar passe para Rogério fazer outro.


E com o jogo resolvido, foi mais fácil para Diego Souza mais uma vez terceirizar a tarefa de balançar a rede para um dos moleques da base: perdeu o gol para deixar o rebote com Thalisson em Maceió, como deixara de fazer em Juazeiro só para consagrar Fábio com o tal gol da vitória aos 50 do segundo tempo.


Foi quatro a um e não teve cinco nem seis graças ao camisa sete Reinaldo Lenis. Nem precisava gastar mesmo, já que próximo adversário na Copa do Brasil é o Sete de Dourados, jogo na Ilha do Retiro, na quarta-feira pré-carnavalesca ou na quarta-feira de cinzas, só para dar um gosto a mais ao Carnaval ou ao final dele.


Ganhar de goleada fora de casa é tão bom que dá até vontade de escrever.