Após golaço, 'Gansistas' ganham espaço entre os torcedores do Sevilla

Getty Images
Getty Images

Brasileiro abre espaço para novas chances


O curioso caso do meia Paulo Henrique Ganso. Esse seria um bom nome para o filme a ser elaborado para contar a história da trajetória do meia brasileiro em Sevilla. Ou uma série (tá mais na moda), já em sua segunda temporada.


Sua chegada despertou curiosidade e expectativa, mas sua primeira temporada, com Sampaoli, praticamente não existiu. Tirando detalles de calidad, como a assistência de calcanchar contra o Alavés e os dois gols no fim da temporada, Ganso passou a temporada 16-17 inadvertido.


Muito se falava sobre o fato de que Sampaoli teria pedido o brasileiro, mas a verdade é que o dolape pouco acreditou no jogador, escalando-o em pouquíssimas oportunidades. 


Especulava-se muito sobre a possível saída, mas Ganso ficou, agora sob o comando de outro argentino, Berizzo. Com a pré-temporada, vieram algumas partidas nas quais o brasileiro teve minutos e seguiu em sua tônica: muitos elogios a sua capacidade técnica, muitas críticas quanto a sua condição física e ao seu (pouco) conhecimento tático, além de uma certa falta de disposição.


O fato é que a janela se fechou e, agora, ao menos até dezembro, Ganso segue no clube. E o "Gansismo" parece ganhar espaço entre os torcedores. O gol contra o Getafe, de calcanhar, fez levantar a velha discussão: vale a pena suportar um período de apatia em troca de alguma genialidade que possa resolver o jogo?


Curioso que, muitas vezes, o caso de Ganso é comparado, pelos torcedores, ao de outro brasileiro, Luís Fabiano. O Fabuloso, que fez história no clube, também chegou sob bastante desconfiança e teve uma primeira temporada marcada por altos e baixos, com muitos detratores


Tido por alguns como um jogador apático em alguns momentos, Luís também tinha uma técnica acima da média. Parecia faltar alguma confiança. Com o tempo, o jogador tornou-se o 9 da seleção brasileira e u ídolo da história do clube. 


Os sintomas são parecidos. Resta saber se o fim será igual.