Imaturo e desordenado, Sevilla decepciona na estreia

Getty Images
Getty Images

Sevilla deixa 2 pontos importantes pelo caminho...


A primeira partida oficial do Sevilla em seu estádio na temporada 17-18 não foi boa. O empate 1-1 ante o Espanyol foi resultado de um conjunto de decisões equivocadas por parte dos sevillistas. O Sevilla demonstrou imaturidade e desorganização e pagou por isso.


Desde o comando técnico até os jogadores, faltou um pouco mais de senso de realidade e talvez até de seriedade. O Espanyol não é um time fraco. Pode não ser um dos times mais brilhantes da Liga, mas é um time experimentado, com jogadores capazes, regido por um técnico com larga experiência na elite do futebol espanhol.


Quique Sanchez Flores é um técnico com a cara do Sevilla e que um dia treinará o clube andaluz. O gitano é como Unai Emery, técnico especialista em tática e preparo físico. Sabe fazer com que o time jogue por uma bola, marca e concede pouco ao rival. Explora ao máximo seus elencos.


Hoje, Quique foi melhor que Berizzo. O argentino errou a mão. Tudo bem, é claro que o jogo da Champions, da próxima terça, é importante. Mas não havia necessidade de fazer tantas mudanças assim. Daria para dizer que o Sevilla atuou hoje com um time B. O "daria" é pela boa variedade de jogadores existentes do elenco, que dão a impressão de que, a priori, não há reservas. 


Entretanto, o jogo de hoje serviu para mostrar que, por enquanto, há, sim, suplentes. Alguns bem claros. Ganso e Borja Lasso não têm condições no momento. Eles, junto a uma atuação péssima do ótimo N'Zonzi, condenaram o Sevilla no primeiro tempo.


Não só por questões físicas, mas esse meio campo, hoje, foi um terror. Ganso não consegue manter o ritmo. Fisicamente, não parece apto. Participa muito pouco do jogo. Até se esforça, tenta, dá um carrinho, faz uma falta... Mas não dá. Não está. Além disso, tecnicamente foi muito mal. Muitos passes errados e a sensação de que o time, em alguns momentos, joga com um a menos.


Borja Lasso é um canterano... a gente torce por ele, mas em vão. Apesar de um bom passe para Muriel, foi muito mal. Nervosismo, vários passes errados e a sensação de que esto le viene grande.


N'Zonzi é bom, mas parece com a cabeça em outro lugar. Talvez queira ser negociado. Não se sabe. Para jogar como hoje, talvez seja melhor sair.


O empate do primeiro tempo foi justo, visto que o Sevilla não conseguia se entrosar (responsabilidade do treinador, praticamente ninguém se conhecia, ali).


No segundo tempo, a entrada de Banega no lugar de Borja Lasso conduzia o Sevilla até um nível bem melhor... Até que faltou a maturidade, a Banega. Não dá para aceitar uma expulsão desse tipo. Dois cartões amarelos por reclamação? Não tem condições.


O Sevilla paga por ter subvalorado o Espanyol e por várias condutas imaturas: de Berizzo, por ter acreditado que venceria facilmente com qualquer time escalado, de Banega, por uma expulsão absurda dessas, e de alguns outros jogadores em campo - o gol sofrido é de uma total irresponsabilidade de N'Zonzi.


Faltou organizar melhor e pensar mais nessa partida. Dois pontos importantes ficam pelo caminho.


Individual


David Soria - Grande defesa e lesão aos 2 minutos. Pouco mais a dizer.


Corchia - Muito bem. Rápido e com bom cruzamento.


Kjaer - Péssima estreia, lento e sem concentração, facilmente superado.


Lenglet - Também deixou a desejar.


Sarabia - Não deveria atuar nesta posição.


N'Zonzi - Não parecia a fim de jogar, total responsável pelo gol sofrido.


Ganso - Muito mal, muitos passes errados e pouca participação.


Borja Lasso - Nervoso e com algumas carências, embora ainda cedo para se afirmar algo mais.


Navas - Melhor em campo, sempre rápido, intenso e jogando sério. Mais do mesmo.


Nolito - É habilidoso, mas ajuda pouco na marcação e parece fora de forma.


Muriel - Teve boas chances. Boa movimentação. Ainda cedo também para afirmar algo mais.