Adeus de Monchi torna Sevilla um dos clubes mais imprevisíveis do mercado

Getty Images
Getty Images

Com o adeus de Monchi, Sevilla se tornou um clube bem imprevisível no mercado


Sem contar com Monchi, o mago das negociações, e com uma situação financeira relativamente incomum para os seus padrões, o Sevilla entra neste mercado em uma situação intrigante. A tendência, portanto, é que seja um mercado relativamente incomum e que pode gerar algumas surpresas.


Trata-se de um clube classificado para a Champions League e com um histórico recente de participações bastante significativas em competições internacionais - o que, certamente, eleva o prestígio do clube no mercado. Por outro lado, sem Monchi, o Sevilla parece se movimentar de uma forma distinta. O ex-diretor esportivo tinha um ímã para determinados tipos de negócio, algo que ainda não se confirmou com Oscar Arias, seu substituto.


Getty Images
Getty Images

Oscar Arias, novo diretor do Sevilla


Arias é um autêntico ponto de interrogação. O habitual número 2 agora é número 1. O novo diretor do clube intriga os próprios torcedores, com seu perfil discreto e, ao mesmo tempo, curioso. Já o compararam até a um corretor de imóveis, dado o seu perfil de bom e ao mesmo tempo duro negociador.


Existem diversos negócios pendentes no Sevilla, algo que, normalmente, não acontece. A estas alturas, em temporadas anteriores, já havia negócios fechados e apresentados. Arias parece proceder de uma maneira distinta.


O novo técnico, por exemplo, ainda não foi oficializado. Tudo indica que será mesmo Eduardo Berizzo, ex-treinador do Celta. Entretanto, ainda não há a oficialidade, o que gera algum incômodo, visto que as negociações de jogadores parecem pendentes disso.


Getty Images
Getty Images

Vitolo fica ou não?


Também existem dúvidas sobre como o clube passará a proceder com relação a vendas. Vitolo, segundo a imprensa espanhola, vai ser do Atlético Madrid - mesmo com a sanção imposta ao clube. Os 40 milhões de euros parecem não ser problema para o clube colchonero. Entretanto, e o Sevilla? Como ficará nessa? Vai aceitar receber o valor apenas em janeiro, como se especula? Certamente seria algo que destruiria a reputação de Pepe Castro e de Oscar Arias.


Financeiramente forte e respaldado por outros clubes, o Sevilla desperta muita curiosidade neste mercado. Esse silêncio inicial diz muito. Parece ser o fim das negociações padronizadas, próximas a 30 milhões de euros. É aguardar para ver o que Arias e cia prometem.