Klopp, Bielsa e Sampaoli: o carisma superestimado

Getty Images
Getty Images

Aguante el Loco... opa, não. Será que Bielsa seria visto da mesma forma se não tivesse esse hábito esquisito?


Vivemos em uma era de super exposição pública (e até mesmo privada) e de tendência ao exagero, especialmente na análise de determinadas situações. Todo mundo tem uma opinião, todo mundo faz um julgamento e desenvolve seu ponto de vista sem uma preocupação muito grande com a realidade dos fatos.


Nas redes sociais, isso é o mais comum, está no dia a dia das pessoas. Aliás, especialmente entre nós, brasileiros, e entre os mais jovens, é muito comum ver o  chamado "comentarista de tudo": aquela pesosa que dá pitaco sobre qualquer coisa, sem se preocupar com a apuração das informações e com a profundidade de análises. O importante é comentar.


Aplicando-se estes conceitos ao futebol, há algo que parece se torna recorrente, de alguns anos pra cá, especialmente quanto a visão que se tem sobre o trabalho de determinados treinadores: o carima supestimado. 


Será que treinadores como Klopp, Bielsa e Sampaoli não são supervalorizados em virtude de determinados comportamentos que em nada têm relação com o desempenho da equipe em campo?


Divulgação/Liverpool
Divulgação/Liverpool

Será que esse cara é tão bom quanto dizem?


Qual é o currículo de Klopp? Ele justifica toda essa fantástica campanha midiática existente a seu favor? Será que o fato de ele ser um treinador alemão sorridente e que comemora gols de forma curiosa não interfere na análise das pessoas sobre o seu trabalho? Será que deveria interferir?


E as milongas de Marcelo Bielsa? A figura de "El Loco" não seria cultuada em função de suas peculiaridades? Será que não acham que ele é muito mais técnico do que ele realmente é?


Será que o mesmo não se aplica a Sampaoli? Ou o fato de o treinador vivenciar o jogo de forma intensa e correr sem cessar pela área técnica não influencia? Será que não faz com que mais pessoas torçam por ele por isso? Até que ponto isso pode ser bom? 


Objetivamente, o trabalho de Sampaoli no Sevilla é bom, especialmente por ser o seu primeiro ano e em uma experiência europeia totalmente nova. Entretanto, não é mais do que isso.


Getty Images
Getty Images

Sampaoli e suas instruções


O Sevilla vem obtendo temporadas de sucesso há anos e sem o treinador argentino. E mais: com orçamentos infinitamente menores. Sampaoli teve o maior orçamento da história do clube a sua disposição. Nunca o Sevilla gastou tanto. Seus antecessores não tiveram a mesma sorte, tendo de improvisar jogadores e se virar com muito menos dinheiro.


Não à toa o torcedor do Sevilla vaiou o time ontem. Espera-se muito de um clube em enorme evolução. Graças a essa exigência que o clube está onde está. Nos tempos de hoje, o carisma parece importar muito. Felizmente, para o torcedor do Sevilla, isso parece estar em segundo plano.


É preciso tentar separar a visão que se tem da pessoa envolvida do profissional. Quem não acha legal ver Sampaoli ou Klopp comemorando gols como se não houvesse amanhã não gosta de futebol. O problema é se deixar levar por isso e não observar as (muitas) falhas existentes em seus trabalhos. E reconhecer, claro, os méritos. 


Sem levar em conta se o camarada celebra os gols ou usa terno ou não.


Seria mais justo.


Ou alguém aí acha que Klopp, Bielsa e Sampaoli são merecedores desse prestígio todo? Ancelotti não merecia ser mais glorificado do que estes? Tantos técnicos brasileiros discretos também não? 


Ficam as perguntas.