O ídolo Raí não pode ser mais um escudo para Leco

O Terror do Morumbi está de volta! Quando Raí se aposentou, no início do século, todos apostavam que ele seria dirigente do São Paulo em algum momento da vida, até mesmo por isso a surpresa foi geral quando seu sobrinho assumiu um cargo no clube há alguns anos. O importante é que o meu grande ídolo no clube está de volta, mas agora de terno e gravata, nos bastidores, como diretor de futebol.

A grande questão que envolve a contratação de Raí é saber o quanto ele está preparado para a função, algo que ainda não exerceu em clubes de futebol, e o quanto tem do interesse de Leco em ser novamente blindado pela imagem de um grande ídolo do clube. Não seria a primeira vez que o presidente apostaria em algo do tipo, sendo que já deu alguns tiros certos e outros bem errados.

Após a campanha pífia de 2016, Leco decidiu apostar no inexperiente Rogério Ceni para ser técnico, principalmente por sua identificação com o clube, achando que isso nos salvaria de todos os problemas. O início da temporada se provou o contrário, com sofrimento infinito, eliminações doloridas e uma demissão praticamente anunciada durante o Brasileirão. Leco, no entanto, decidiu tirar o corpo dele da reta e disse que a diretoria não tinha culpa de nada, mostrando que assumir erros não é bem o seu forte.

Hernanes, porém, foi um acerto do presidente. Sentindo o rebaixamento abraçar o clube, correu atrás do jogador que estava encostado na China, trouxe e deu certo. Com grande ajuda do meia, fomos salvos do rebaixamento e, no fim do ano, tivemos que ver Leco abraçado com as organizadas para comemorar algo que ele não fez muito esforço para evitar. Patético. 


Gazeta Press
Gazeta Press

Ídolo em campo, Raí tem tudo para dar certo fora das quatro linhas também


Raí já está envolvido com o clube nos últimos meses e, provavelmente, sabe onde está se metendo. É uma roubada e todo mundo sabe disso, não é preciso ser nenhum gênio para descobrir que a diretoria do São Paulo, neste momento, está podre. A própria saída de Vinicius Pinotti alegando desentendimentos com Leco mostra que o clima não é bom nos bastidores do clube.

O ex-jogador precisa também ter a noção de que ele pode ser usado como escudo pelo presidente para ocultar os bizarros erros de comando da presidência, inclusive com venda de jogadores. Os problemas com Leco também não são novos, tanto que Raí é o nono homem de confiança na gestão atual do clube, como mostrou a ESPN nesta quinta-feira. Confusões não faltam pelos lados do Morumbi. E com todos esses problemas, ser queimado é uma consequência natural, como aconteceu com Rogério Ceni em 2017.

Se não impor sua condição de ídolo e tiver carta branca para atuar nos bastidores, Raí infelizmente será devorado pelos egos que assombram o clube. Competência já vimos em campo que ele possui, e também fora dele em seus projetos pessoais. Mas agora é ver o que consegue como dirigente. Seu caráter é um dos mais íntegros que já pisou no São Paulo, então não nos faltará esperança e apoio. Estou contigo até o fim, Terror do Morumbi, seja o gigante que você sempre foi!