Obrigação e alívio: São Paulo garante permanência na Série A

Quem foi ao Pacaembu na tarde deste domingo (19) teve, novamente, o desprazer de ver o São Paulo em campo. Tão amado em anos anteriores, hoje ver o Tricolor em campo chega a ser uma tortura de tão ruim, um martírio mesmo. Apesar disso, o fraco empate sem gols com o Botafogo serviu para uma única coisa: eliminar qualquer ameaça de rebaixamento para o São Paulo. Sim, ufa, depois de tanto tempo acabou essa dor de cabeça.

Após 36 rodadas, estamos finalmente livres do rebaixamento e ainda com dois jogos por fazer. A posição na tabela agora pouco importa. Entre altos e baixos, o sentimento agora é de puro alivio, mas não de satisfação. Não podemos, de jeito nenhum, nos acomodarmos com essa situação medíocre que o São Paulo se colocou por mais um ano. Chega a ser deprimente ver um clube de tantas glórias comemorar o fato de que “time grande não cai” ano após ano.

Agora, com a consciência tranquila e sem mais pesos nos ombros, mesmo que sem ainda alcançar a tal pontuação mágica dos 47 pontos, é hora do São Paulo se preparar para o próximo ano. Os jogos contra Coritiba e Bahia devem ser usados para testes de jogadores, olhar carências e até mesmo dar folgas a alguns jogadores que tanto se esforçaram durante o ano, como Lucas Pratto, que revelou estar com uma lesão na coxa e jogando no sacrifício há algumas rodadas.


Miguel Schincariol/Gazeta Press
Miguel Schincariol/Gazeta Press

A vontade de todos que viram São Paulo x Botafogo: deitar e dormir


A confirmação da permanência tricolor na primeira divisão, vale dizer, é mais por incompetência de outros clubes do que pela própria capacidade do São Paulo em escapar do problema. Contando com erros bobos dos clubes, o clube paulista foi pouco a pouco subindo na tabela e acabou, com sorte, ficando numa posição confortável. Faz pelo menos cinco jogos que a equipe não mostra um futebol minimamente decente e marcou apenas 6 pontos em 15 possíveis. Mesmo assim, continuará na primeira divisão.

Depois de tanto se esforçar para cair, o São Paulo continua na Série A. No fim das contas, não fez mais do que a obrigação, mesmo com as trocas de comando, crises internas, vendas de peças importantes, declarações polêmicas, remontagem de elenco, entre outros tantos problemas que enfrentou em 2017. Pelo segundo ano consecutivo, o rebaixamento foi um susto no meio da temporada, mas, se a mentalidade não mudar, uma hora morderemos a isca. Resta saber se as duras lições dos últimos anos ao menos estão sendo aprendidas.