Refém de seus próprios erros, São Paulo se afunda cada vez mais

O jogo entre São Paulo e Ponte Preta pode ser dividido em dois tempos: antes e depois do pênalti tolo cometido por Jucilei. 

Antes do pênalti, o São Paulo tinha controle das ações e pouco foi ameaçado pelo adversário, tanto que Sidão não tinha sido exigido até o minuto anterior à penalidade. Depois do pênalti, já com um jogador a menos, pressão do time visitante e um time apático se segurando de forma desesperada para sair com um mísero empate de seu próprio estádio mais uma vez. 


O São Paulo continua refém de seus próprios erros. Pouco ameaçado, o time controlava a partida e conseguia abrir vantagem contra a frágil Ponte Preta. O resultado era perfeito, nos tirava da zona de rebaixamento pelo menos até amanhã e colocava pressão em nossos adversários diretos, inclusive a outra equipe que estava no Morumbi neste sábado. 


Gazeta Press
Gazeta Press

O São Paulo é o retrato perfeito da derrota


Só não sei se é o destino, o azar ou mesmo a incompetência de nossos jogadores, mas o maravilhoso 2 a 0 rapidamente se tornou um empate tenebroso e que ainda devemos agradecer por não termos levado o terceiro gol. Foi um sufoco danado nos últimos minutos, totalmente desnecessário e que ninguém imaginava. 

Outra vez, erros individuais, sempre eles. Se você pegar os tropeços do Tricolor, eles sempre estarão ali ou acolá. Hoje, Sidão fez uma defesa e cedeu o escanteio. Na cobrança, espalmou atrapalhado para o meio da área e originou a confusão que terminou com o pênalti de Jucilei, que também errou ao colocar o braço na frente da bola e atrapalhar o gol. 


O time parece estar rendendo com toques de bola, criando chances, mas peca por conta do nervosismo. A melhora pode não ter sido nítida, mas aconteceu após esses 12 dias de treinos. A questão principal é que o psicológico da equipe ainda não foi acertado e coisas bestas ainda atrapalham muito os jogadores, gerando assim mais erros e mais pressão. O ciclo está se completando e o rebaixamento nos assombra cada vez mais.