Leco dá 'tiro no pé' e escancara suas falhas na presidência do São Paulo

Gazeta Press
Gazeta Press

Leco em entrevista coletiva no CT da Barra Funda, na última terça-feira (4)


O relógio batia 18h quando fomos informados de que Leco daria uma entrevista no CT da Barra Funda, provavelmente para explicar a demissão de Rogério Ceni e as negociações com Dorival Junior. Mesmo que com atraso, a diretoria tricolor finalmente colocaria o rosto em público para explicar a péssima situação do clube, dentro e fora de campo. No meio do caminho, porém, a informação muda e Pintado, técnico interino, viraria o entrevistado do dia.

Como bagunça pouca é bobagem, o São Paulo muda novamente as informações e Leco vira o entrevistado do dia mais uma vez. Minutos depois, esbaforido e visivelmente nervoso, ele entra na sala de entrevistas. É possível ouvir sua respiração ofegante no microfone e, através disso, notar que vem um caminhão de besteiras pela frente. Sim, pois às vezes é fácil notar quando algo de errado está se aproximando, basta prestar muita atenção nos detalhes.

“A direção não tem nenhuma responsabilidade direta [no fracasso de Rogério Ceni como treinador]. A diretoria teve coragem de contratá-lo. A diretoria confiou no seu trabalho e deu todas as condições de realizá-lo, isso é inegável”

O trecho acima faz parte da primeira resposta de Leco na entrevista coletiva, mostrando como ele está totalmente desconectado da realidade. Neste momento, o Twitter explodia, as conversas no Whatsapp mostravam uma indignação ainda maior com a cúpula tricolor e mesmo os rivais pareciam incrédulos com o que foi dito pelo presidente.

A diretoria do São Paulo tem responsabilidade, e não é pouca, pelo fracasso de Rogério. Primeiro por usá-lo como peça política na busca de uma reeleição. O assunto já era falado nos corredores do Morumbi no ano passado quando Ricardo Gomes ainda era o treinador do time e o nome do ex-goleiro não passava de uma mera especulação da imprensa. Todos que convivem minimamente no clube sabiam das intenções políticas de Leco de apelar para uma força, logo sua covardia da coletiva não espanta muita gente.

A aposta em um “novato”, como o próprio Leco chamou Rogério, também é culpa do atual presidente. Afinal, ele sabia das responsabilidades em colocar um treinador sem experiência. E se não deu certo, por motivos óbvios, o dirigente não pode tirar o seu da reta. Na entrevista de hoje, Leco precisava chegar na frente de todos e assumir suas falhas, prometer melhorar, tentar acalmar a revoltada torcida e não jogar mais lenha na fogueira.

Se Dorival Junior estava vendo televisão neste momento, ele imediatamente pensou duas vezes antes de seguir com as negociações. Afinal, parece que os dirigentes não erram no São Paulo, só fazem coisas maravilhosas e os péssimos treinadores não correspondem. Logo, eles contratam atletas de gosto bem duvidoso, vendem jogadores e azar de quem estiver no comando da equipe. Esse é um problema que se repete há anos e mostra, com clareza, por que o SPFC está nessa situação lamentável e só piora ano após ano. É preciso mudar todos, porque a oposição é tão ruim quanto, e dar um jeito na direção do clube.

Leco deu um tiro no próprio pé. Se já não era um dos mais aclamados pela torcida, agora será ainda mais perseguido. A forma com que tratou Rogério Ceni irritou até mesmo quem era contra o treinador, como este que vos escreve aqui, e só isola ainda mais a direção do clube de seus torcedores. Isso, claro, vai resultar em mais pressão para os jogadores em um momento que a situação já é delicada demais. Não duvidaria, inclusive, que este tenha sido um dos últimos atos de Leco na presidência.

Tudo que o São Paulo não precisava era de declarações horríveis para piorar o clima no clube. Aos poucos, o buraco para um desastre maior, talvez o rebaixamento, vai sendo cavado no Morumbi. Daqui a pouco, no entanto, vai ser muito difícil sair de lá. E aí não vai ter mais ninguém para culpar, Leco, pois você estará sozinho.