Nem todo atleta da base do São Paulo será o 'novo Casemiro'

A torcida do São Paulo é chata, sim, todos sabem disso e eu posso falar com propriedade, pois sei que sou um dos mais chatos. A nova moda entre os são-paulinos, porém, é procurar o “novo Casemiro” em cada texto, em opiniões nas redes sociais, nas substituições feitas pelo técnico, ou mesmo em críticas que fazem sentido. O melindre que essa expressão causa vai acabar podando ou queimando muitos jovens.

Sei que parece estranho que eu fale disso logo depois de fazer um texto pedindo mais oportunidades para Shaylon e Lucas Fernandes na equipe principal. Os dois meias pouco atuaram na temporada, enquanto o clube continua contratando jogadores que pedem altos salários e já estão na faixa dos 30 anos. Esse é o ponto que me incomoda nessa situação.

Casemiro, por outro lado, teve suas chances. Depois de ganhar a Copinha ao lado de Lucas Moura e outros bons jogadores, subiu ao time principal e rapidamente ganhou a vaga de titular, principalmente depois de contratações como Cléber Santana e Carlinhos Paraíba não darem, obviamente, o resultado esperado pela direção tricolor. Nos anos seguintes se manteve, mas não soube administrar seu próprio ritmo.

Conforme o tempo passou, Casemiro continuou mostrando bom futebol, mas as boas aparições foram ficando cada vez mais espaçadas. O extra-campo do atleta acabou, infelizmente, tirando um pouco do protagonismo dele em 2012, justamente quando seu companheiro Lucas estourava com a camisa do São Paulo. Foi na mesma época também que Denílson e Wellington, outras duas crias de Cotia, assumiram o setor e viraram titulares absolutos do Tricolor.


Getty Images
Getty Images

Casemiro no time principal do Real Madrid: ninguém esperava, mas vai ter que engolir


A saída de Casemiro para o Real Madrid B foi, sim, uma surpresa para todos. Ninguém esperava que, anos depois, o jogador chegasse ao ponto de marcar um gol na final da Champions League, enquanto o São Paulo sofre contra a Ponte Preta com Cícero de volante. É complicado admitir isso, mas, ao mesmo tempo que Casemiro foi injustiçado por aqui, ele teve suas oportunidades e não agarrou da maneira devida. A única diferença é que o clube espanhol o abraçou e lhe deu mais ânimo para evoluir.

As chances de Casemiro vieram aos montes. Outro que teve muitas oportunidades, por exemplo, foi Lucão. O zagueiro, no entanto, raramente mostra um bom futebol e ganhou a blindagem de não pode ser criticado por correr o risco de ser ‘o novo Casemiro’ que sai do clube de forma injusta e estoura fora do país. Lucão não merece essa alcunha, de jeito nenhum. Ele ganhou mais chances que outros, como Lucas Fernandes, Shaylon, Boschilia, Willian Arão e tantos outros.

O problema da torcida do São Paulo é ver os jovens saindo e procurar um novo Casemiro ou Kaká neles. Não, isso não vai acontecer com frequência, principalmente porque nem todos que saem de Cotia são craques. É preciso dar chances a eles no time profissional, usando Florida Cup ou o Paulistão para isso, e não empilhar o elenco com medalhões duvidosos e depois recorrer aos jovens quando a corda aperta o pescoço, como em 2016.

Parem de procurar um novo Casemiro, apenas ajudem os jovens a ganhar mais oportunidades e valerem os investimentos feitos em Cotia. Se saírem depois de brilharem, ao menos terão feito algo de bom pelo São Paulo e teremos a plena consciência de que valeu a pena, assim como foi com Lucas Moura.