Frases polêmicas e pouco futebol: o retrato atual de Maicon

“Prefiro a mãe do adversário chorando do que a minha em casa”

Essa foi a declaração de Maicon após ser questionado sobre o fair play de Rodrigo Caio na partida contra o Corinthians, no último domingo. Além de queimar o companheiro de equipe com a torcida, mesmo que Rodrigo tenha feito o certo e tenha sido honesto, para Maicon vale ganhar de qualquer jeito.

É uma pena, de verdade, que a honestidade tenha virado um milagre no mundo do futebol a ponto de ser exaltada dessa maneira. Além disso, a atitude de nosso zagueiro em nada alteraria a atuação ridícula do São Paulo no Morumbi, não nos faria ganhar o jogo e muito menos garantiria a classificação. Sobrou apenas como bode expiatório para culparmos alguém, sendo que nada está certo em campo.

Opinião dita, voltamos a Maicon.

O camisa 27 chegou ao São Paulo depois de uma enorme polêmica no Porto, onde foi cornetado pela torcida, fingiu lesão e saiu pela porta dos fundos. Acolhido por aqui, chegou como o responsável para dar consistência na defesa tricolor. Depois de muito esforço, conseguiu, mas o empréstimo de seis meses chegava ao fim, a torcida implorava por sua permanência e o clube enfiou a mão no bolso (além de ceder dois jovens atletas) para comprar seus direitos. Uma loucura, mas que para muitos fazia sentido.

O primeiro jogo após sua contratação definitiva foi a semifinal da Libertadores, contra o Atlético Nacional. E Maicon acabou expulso após cair na pilha dos colombianos e agredir Borja. Aquela foi a primeira de muitas vezes que vimos o zagueiro vacilar desde que o São Paulo lhe abriu as portas e o contratou.

Maicon abusa de lançamentos vindos da defesa, quase sempre errados e que matam a ligação ofensiva do São Paulo, porque nunca pegam os rivais desprevenidos. Deixa, muitas vezes, espaços enormes ao subir a marcação e errar os botes que tenta. Isso, claro, sem contar a velocidade que não tem o ajudado. Ontem mesmo, por exemplo, perdeu duas bolas na corrida para Jô e foi ajudado por Araruna em uma delas, mesmo que o volante estivesse muito atrás na jogada. Ridículo.


Gazeta Press
Gazeta Press

Maicon quis provocar o rival na fase de grupos, mas perdeu a moral depois do baile de ontem


Apesar disso, Maicon acha que pode dar declarações polêmicas para agradar a torcida e, assim, não receber a cobrança que merecer por suas atuações fracas. No início do ano, em um programa de televisão, disse que não queria nenhum jogador do Corinthians, mostrando soberba e um desmerecimento ao rival que posteriormente veio a castigar o São Paulo. No clássico da fase de grupos, contra o mesmo Corinthians, provocação com a comemoração da galinha.

Isso, claro, deixa a torcida em chamas. Vira meme nas redes sociais, assunto nos programas de televisão, piadas nas rodas de bares. O futebol ridículo que o zagueiro tem apresentado se mantém intacto, sem que o critiquem. É hora de amargar um banco, Maicon, pois você precisa falar menos e jogar muito mais, como seu companheiro Rodrigo Caio tem feito jogo após jogo.

E vê se aguenta as provocações rivais quando elas surgirem contra você, pois fugir não é uma opção dessa vez. Sua arrogância criou isso, agora é hora de sofrer.