Cícero de volta ao São Paulo era uma tragédia anunciada

Gazeta Press
Gazeta Press

Olha essa carinha de quem vai errar passe de dois metros...


Primeiro: uma rodada pra todos os leitores do blog por minha conta.


Nesta quarta-feira, em uma daquelas notícias animadoras em meio ao conturbado cenário do clube, o meia Cícero foi afastado do elenco. O camisa 8 não faz mais parte dos planos e, a partir de agora, treina separado e não atuará mais pelo Tricolor.


É de se comemorar, sim. Cícero, que já não foi brilhante mas chegou a ser útil em sua primeira passagem, voltou ao São Paulo a pedido de Rogério Ceni, mas, com um salário altíssimo, não conseguiu justificar nada. Pelo contrário, era motivo de ira de grande parte dos torcedores e, com as chegadas de Jucilei e Petros, foi perdendo espaço. Ufa.


Além de não apresentar um resultado satisfatório em campo, dizem pelos corredores da Barra Funda que o jogador tinha problemas de relacionamento com algumas peças do elenco. Não é o perfil que precisamos nesse momento complicado -- e, espero, em nenhum outro.


Cícero fez 32 partidas no ano e quatro gols - três na mesma partida, aquele jogo doido contra o PSTC na Copa do Brasil, em uma das raríssimas boas apresentações do camisa 8 na temporada. Lento, precisava tentar compensar na vontade e na qualidade, mas não conseguiu. Foi uma bola fora total do planejamento são-paulino.


No time de Rogério, mesmo que o Mito insistisse em usá-lo, não era possível vê-lo como titular. A equipe constante, jogando de área a área com intensidade e pressão, não tinha lugar para quem não faz a menor questão de correr pelo companheiro do lado. Nessa fase ainda mais complicada de agora, menos ainda. Até foi útil diante do Grêmio, mas, convenhamos, a tendência era ser engolido a cada treino. Era uma tragédia 100% anunciada.


Não fará falta. Petros, Jucilei, Hernanes, Araruna, Gómez, Lucas Fernandes, Cueva e até qualquer moleque da base podem ser usados nas posições do meio-campo, e são raros os momentos que precisaríamos de Cícero, que, vale lembrar, ganha um salário alto no elenco e tem contrato até fim do ano que vem.


Em dezembro, quando anunciado, já 'escrevi' sobre o Cícero. Usando tweets de sua primeira passagem, mostrando como não deixou muitas saudades entre 2011 e 2012. Dessa vez, menos ainda. O jogador já fez 10 partidas no Brasileirão e não poderá se transferir para outra equipe, mas os desus arrumarão pra gente algum interessado lá pros lados do Oriente Médio. Ainda existe bobo no futebol.


Bye-bye, Cícero. Boa sorte em outro lugar, porque aqui não vai rolar. Quem sabe em algum time que aceite seu papo de 'Kroos e Xavi não driblam' e que você possa ficar ali na sua zona de conforto tranquilão. Com toda certeza sua volta foi um grande erro do planejamento dessa temporada.


Gazeta Press
Gazeta Press

Tava na cara que não ia dar certo, né?