Santos: hora de curtir a vitória, mas sem esquecer os defeitos

Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Com ajuda de Bruno Henrique, Ricardo Oliveira desencantou


Ganhar um clássico é sempre delicioso, ainda mais de um rival que está há muito tempo na liderança do campeonato. Ganhar do Corinthians, por 2 x 0, na Vila Belmiro, mostrou que o Santos pode se assanhar por alguma coisa nesse Brasileirão e sonhar na Libertadores, competição que tem o bom time do Barcelona-EQU pela frente.


Celebrar as vitórias, depois de tantos dias sem ver um jogo, é algo obrigatório. Matar a saudade, roer as unhas, xingar o Victor Ferraz... Coisas que eu já estava sentindo bastante falta. Foi bom, mas é necessário ver os problemas. Sim, sei que é chato ver os defeitos após uma vitória. Porém, nunca haverá evolução sem corrigir os defeitos.


Siga o autor no Twitter: @fagnermorais


Lucas Lima ainda não tem ajuda na hora de armar o jogo, por exemplo. Alison desarma muito bem, mas é pedir muito para ele sair jogando. Renato não tem o mesmo fôlego de antes, então o 10 precisa fazer tudo sozinho muitas vezes. Ele poderia ter ajuda os laterais, certo? No caso do clássico, Zeca precisou marcar mais do que atacar. E Ferraz parece jogar com uma arma, pois ele mata ataques como ninguém.


Infelizmente, dos três atacantes, Copete e Ricardo Oliveira não estão jogando absolutamente nada. Eles só são titulares porque seus respectivos reservas são Thiago Ribeiro e Kayke. Na direção oposta, Bruno Henrique está indo muito bem. Uma pena que ele segue tomando decisões erradas em campo. Se ele pensa um pouco mais, uma futura bola perdida pode virar um promissor ataque.


Sei que já bati nessas teclas várias vezes nesse espaço, mas quero muito ver esse time melhorar cada vez mais. A vitória deu novo ânimo e deixou o torcedor contente. Agora é torcer para dar tudo certo na quarta-feira, contra o Barcelona.