Thiago Maia, Lucas Veríssimo e os exportadores de mão de obra no Brasil

Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Thiago Maia deixou o Santos por um preço muito baixo


No último sábado (15), aconteceu o inevitável: Thiago Maia foi vendido.


Quem levou foi o Lille, da França, por um troco de pinga, uma mixaria, a metade do que ele realmente vale pelo futebol apresentado neste ano. Não é a primeira vez que o Santos negocia mal um talento formado em casa, mas essa venda do agora ex-camisa 29 foi ofensiva por vários fatores.


O primeiro deles e fundamental é a situação financeira do clube. Não é de hoje que o Santos está mal das pernas, porém esse ano parece estar em um novo limite. A equipe parece estar pior do que nunca e, ao invés de segurar um pouco a onda, foi contratar Cleber e Bruno Henrique. O segundo vem jogando muito bem, já o zagueiro... Chegou para ser titular e só fica atrás de Leandro Donizete e Matheus Ribeiro no quesito contratação péssima dessa temporada.


Siga o autor no Twitter: @fagnermorais


O segundo é acordos com pessoas que a torcida só sabe quando acontece alguma venda grande, como foi o caso de Thiago Maia. O ESPN.com.br trouxe a informação de que o clube terá que dar 18% do valor total (R$ 9,4 milhões) para dois empresários. Não é a primeira vez que isso acontece, mas mostra como o Santos é pessimamente administrado há anos seja qual for o grupo político no comando.


Desse fim de semana de quase luto, teve o empate sem gols com o Vasco em um dos piores jogos de futebol que pude ver na íntegra neste ano. Estamos de parabéns por ter visto essa tragédia grega em forma de esporte.


Mas como sempre existe o dia seguinte para curar a ressaca, o Santos anunciou as renovações de Lucas Veríssimo, Daniel Guedes e Jean Mota até 2022. Demorou, mas, enfim, um acerto de quem está lá dentro.


Veríssimo foi alvo de muitas críticas neste espaço, porém a evolução dele na temporada é visível. Sem dúvida alguma, ele é o melhor zagueiro do elenco hoje e tem tudo para ser um dos melhores do time na temporada. Resta saber até quando ele permanecerá no clube (especulações deram conta de um possível interesse do Saint-Etienne)


Jean Mota mostrou-se um jogador útil e foi muito melhor na lateral do que na meia. E Guedes, apesar da tola expulsão no jogo do último domingo, tem condição de virar o titular em pouco tempo.


O fim da última semana foi frustrante. O início dessa foi melhor. Assim é a vida do torcedor de um time no Brasil, que precisou aprender a se contentar com pouco e ver os talentos de seu time de coração voarem para Europa por um preço extremamente baixo. Enquanto nada mudar, o Santos e todos os outros serão para sempre exportadores de mão de obra.