Santos: a corneta é sempre mais sóbria que o elogio

Não é fácil ter um blog em site grande. É pedir para ser alvo do cidadão típico da internet: o que xinga antes de pensar. No último domingo, publiquei aqui o texto "Inacreditável e inadmissível: Levir deu rachão no dia em que o Corinthians perdeu" e fui alvo de mais de 100 xingamentos, ofensas, até em meu perfil pessoal foram para buscar algo para me criticar duramente. Dá vontade de desistir.


Mas a função do jornalista é não só aguentar isso, como também seguir tentando analisar de forma sóbria, consciente. E é muito fácil fazer isso quando você critica Levir Culpi e o elenco atual do Santos.


Porque, por mais torcedor que sejamos, é necessário opinar de forma séria, mesmo que cause dor e revolta. Então, o Santos me ajudou a provar meu ponto ao empatar com o Vitória, ficando duas vezes atrás no placar, em casa, e contando com um gol contra patético para se salvar da derrota.


Podemos repetir, tristes, mas com a certeza de que é o correto: rachão, Levir Culpi? Que tipo de técnico é você? Respeite a história do clube e peça o boné. Se aposente. Vá para o Japão. O que quiser. Mas saia do Santos e leve metade do elenco.


Gazeta Press
Gazeta Press

Imagem simbólica: Serginho, que não deveria estar em campo, furando em jogada a qual jamais deveria tentar, pois não tem talento para


O Santos entrou em campo contra o Vitória como um time treinado em rachões, como é de fato. Que me permita Dassler Marques, repórter do UOL, a usar a imagem que ele registrou e colocou no Twitter da "compactação" (se fosse permitido, usaria ainda mais aspas) que o Santos mostrou em campo:



É buraco seguido de buraco - isso não é novidade, é o típico desse time. Como pode acontecer qualquer jogada sem se chutão com o time espaçado assim?


Bom, vamos por partes agora: primeiro, David Braz. Segue o gol de Wallace, abaixo:




David Braz está olhando, no começo do vídeo, para o rival. Ele então vira de costas, olha só a bola, não mantém nem contato com a mão no peito de Wallace para saber onde ele está... E, claro, leva o gol, errando o tempo de bola, sendo que olhava só para ela. Tomou nas costas, Wallace cabeceou sem problemas.


Mas, quando criticamos David Braz, estamos errados. Ok.


Lucas Lima é o seguinte a ser criticado. No primeiro gol do Vitória, comentei com meus amigos, assistindo ao jogo, que ele estava voltando com preguiça. Em seguida, que a bola iria para o único atacante do vitória livre, já que Lucas não marcava. Em seguida, que sairia o gol. E, bem...



Por fim, vamos falar de Levir Culpi. O homem que inventa Leandro Donizete e Thiago Ribeiro em jogos decisivos na Libertadores agora, além de rachão, coloca Serginho e Lucas Crispim, dois jogadores de nível Série D (ou nem isso, já que ambos deram errado em times como Santo André e Joinville, por exemplo) para tentar virar um jogo de Série A.


Lembrando: sem treiná-los, já que só dá rachão. Qual a chance de dar certo?


O último lance do jogo responde: Lucas Crispim cortou para o meio e... A bola escapou. O juiz apitou. O Santos tropeçou.


Não adianta ficar bravo, comentarista de internet. Antes de achar que qualquer crítica a seu time é sem fundamento, pense. É sempre bom analisar com calma. O Santos não é campeão mundial. Se fosse, ninguém aqui criticaria. Tudo estaria perfeito. Não está. Longe disso. Críticas são necessárias.


A corneta é sempre mais sóbria que o elogio.


Vila Belmiro: 100 Anos, 100 Jogos


Muita, muita gente mesmo me procurou e comprou o livro após eu anunciá-lo aqui. Você pode ser o próximo, me chamando no Facebook clicando aqui. E não, não tem rachão no livro. Pois ele é sério.


Divulgação
Divulgação

Um livro que conta boas histórias, não a história que Levir conta