Santos, 105 anos: não dou os parabéns, apenas agradeço

Não sou muito de aniversários. Não sei sorrir ao receber parabéns, felicidades e tudo que a tradição manda. Também não sei agir do lado contrário: não pareço sincero quando dou parabéns, quando desejo tudo de bom a quem eu gosto.


Assim, no aniversário de 105 anos Santos, eu prefiro agradecer.


Gazeta Press
Gazeta Press

São mais anos do que a maioria de nós viverá. São mais lembranças queridas do que somos capazes de recordar


Primeiro, como jornalista. Pois se eu sei desde os 5 anos de idade que queria seguir esta profissão que me faz sofrer tanto, é porque naquela idade eu comecei a guardar recortes de jornais com tabelas e matérias de futebol, para entender por que meu time não conseguia um título há alguns e anos e, mesmo assim, meu pai me fez torcer para ele.


Aprendi a ler para entender o que escreviam sobre o Santos. Cresci estudando jornais esportivos e, claro, a maioria dos que se acumulam em meio ao pó em meu quarto tem capas que envolvem o time.


Porque se eu creio que é possível ser imparcial e que assumir o time para o qual torço não pode ser um problema na profissão, é porque eu cresci amando a profissão e o time da mesma maneira: como coisas que me fazem bem.


Depois, como pessoa. Para mim, o futebol é o maior espelho de uma sociedade. E a sociedade é formada por pessoas que sentem, que sofrem, que se alegram. E o futebol foi o que me ensinou a sentir.


Sentir raiva em derrotas. Sentir amor em títulos. Guardar cada momento especial do meu time em minha memória e coração. Ter o futebol como escape quando a vida está difícil. Ter o futebol como um choque de realidade quando a vida está muito boa.


Sem torcer para um time, como sentiria tudo isso?


Por estas razões eu agradeço ao Santos. Porque me apaixonei por ele quando criança. Ele me levou ao jornalismo. Que me levou a ser quem eu sou hoje. Alguém que é espelho de ambos: faz sofrer, irrita, é chato, dá trabalho... Mas, no fundo, tenta fazer o certo.


Assim, obrigado, Santos, por seus 105 anos de história e histórias. Não estarei aqui quando completar mais 105, mas aproveitei e aproveitarei cada ano dos que puder.