Santa Cruz: o Velho, o Moço e a esperança que se renova

Montagem sobre Gazeta Press
Montagem sobre Gazeta Press


Amigos e amigas corais,


Depois do desencanto com o protótipo de treinador chamado Vinícius Eutrópio, o Santa Cruz fez uma clara escolha pela segurança. Clássico, sem frescurinhas e premiado desde sempre, o Velho Giva voltou às pistas do Arruda para brigar por uma das vagas na 1ª Divisão.


Conhecedor do caminho, o Rei do Acesso arrancou bem. Foram duas vitórias em casa (Brasil de Pelotas e Vila Nova) e dois empates fora (Luverdense e Náutico). Mas aí, o carburador de Givanildo começou a engasgar. Uma derrapada aqui, outra acolá... e, sem criatividade, o gás do Marreco se acabou após a sexta derrota seguida, contra o CRB de Dado Cavalcanti.


O desvio inesperado em direção à tenebrosa estrada da Série C fez o clube mudar novamente. Assim como aconteceu com Giva, a escolha foi por quem já venceu com as três cores no passado. No entanto, o básico e tradicional deu lugar à ousadia e a juventude. Marcelo Martelotte aceitou o convite de Alírio e desembarcou sua Harley-Davidson pela terceira vez em quatro anos no Mais Querido. 


Reprodução/TV Globo
Reprodução/TV Globo

Martelotte na beca para pilotar sua Harley-Davidson


Quando conquistou o acesso e o vice campeonato da Série B em 2015, Martelotte pegou o time na 18ª colocação. Armou um esquema ofensivo, com apenas Wellington Cézar à frente da zaga. A criação ficava por conta de João Paulo e Daniel Costa e o ataque era capitaneado por Grafite, que contava com a velocidade em quinta marcha de Lelê e Luisinho pelas pontas.


Com uma campanha alucinante, foram seis vitórias consecutivas na reta final, incluindo a batalha da Fonte Nova contra o Bahia. Os adversários passaram a ser olhados pelo retrovisor e o Santinha terminou com 63 gols (melhor ataque) e um aproveitamento de 58%. 


Curta o Arrudiando no Facebook!


Apesar da esperança que reveste a chegada do treinador fã de motocicletas e de esquemas arrojados, o momento é bem mais difícil. Ao invés da 8ª rodada, como há dois anos, o rally pelo acesso à Série A já vai na 23ª volta. Outro fator importante é que a carroceria de 2015 era formada por peças bem melhores que as de hoje. ~Saudades, João Paulo...~


A reformulação tardia continua. Gabriel Vallés, argentino que jura ter jogado no Independiente, enganou geral e foi embora. Outro que nem vestiu a camisa e já vazou do Arruda foi Alisson. Só no Santa Cruz acontece essas coisas... O cara é contratado, treina duas vezes e pede rescisão. Haja critério!


O novo treinador está analisando o elenco e alguns poucos reforços devem chegar. O Santa ainda tem direito de inscrever nove jogadores na Série B. Pelo amor de todos os deuses, que chegue gente para fazer A DIFERENÇA! Mesmo com os campeonatos avançados e vários atletas tendo completado sete jogos, temos que garimpar, pelo menos um meia, um volante e um lateral direito. Não existe mais tempo para apostas, nem brincadeiras. Ou o time se ajeita ou voltamos para o inferno. 


Martelotte conhece o clube e os jogadores que subiram da base. Atletas da casa como Marcílio, podem ter mais chances no time.


Agora, a luta é claramente contra o rebaixamento. Sabemos disso. Mesmo assim, duvido que você não fez as contas para achar uma pontinha de chance de subir. Tá complicado, mas Martelotte é correria, boy.


Lá vamos nós de novo. Reage, Santa Cruz!