Schick e a síndrome do homem de lata

Não. Não vai ser agora. Não vai ser dessa vez. Talvez nunca mais.


A frustração é um sentimento que o homem ainda não aprendeu a dominar muito bem. Ver da plataforma e com o bilhete na mão o trem partir ainda paralisa o mais atinado dos homens. E é justamente nesse hiato entre a esperança do êxito e a negação do sonho que os sentidos se anulam e o coração e o cérebro cochicham entre si que rumo tomar.


E o coração e o cérebro, você sabe tão bem quanto eu, é um derby della lanterna.


No mercado de transferências do futebol então é só o cérebro quem dita as regras. Cifras, análises, negócios, business, salários, luvas, contratos é um Busca Vida sem fim onde a razão sempre dá as cartas. E se o coração entra em pauta, pode ter certeza, coisa boa não é.


Schick, a principal promessa blucerchiata, é o mais novo exemplo disso. Ele recebeu em junho uma oferta da toda poderosa Juventus. 30 milhões de euros, dizem. Grana alta e irrecusável para quem trata a Sampdoria apenas com o cérebro. Logo, nem os dirigentes da Samp, nem o jogador e seu staff pensaram duas vezes pra fechar o negócio.


Pois ontem a Juventus devolveu oficialmente a promessa blucerchiata sem entrar em detalhes. A notícia de que o jovem de 21 anos não passou nos exames médicos graças a uma arritmia cardíaca se alastrou como pólvora há alguns dias e Massimo Ferrero, emputecido com a história, não queria desfazer a barganha. De nada adiantou. Ontem Sampdoria e Juventus oficializaram em seus sites que a transação havia sido desfeita.


Ficou o Schick no vácuo, com o coração na mão.


juventus.it
juventus.it

Schick faz exames na Juventus. Mal sabia ele...


Dá pra se tirar algumas reflexões disso tudo.


O meu coração blucerchiato de torcedor está muito feliz em manter acesa a esperança de ver o tcheco vestindo a camisa da Sampdoria por pelo menos mais uma temporada. Mas meu coração também se compadeceu com o drama do jogador. Imagino com deve ter sido a noite do cara. O futebol é coração apenas pra gente que torce, chora e vibra com o time que escolheu.


Pra quem vive do meio, o futebol é profissão. E Schick é como a gente nessa selva de pedra, deve ter se sentido um lixo quando tratado como mercadoria, um pedaço de lata com as juntas enferrujadas que os engravatados compram e devolvem como bem entendem. A minha crítica aqui é social. Serve pra você que ganha um salário mínimo e pode ser enxotado numa segunda de manhã graças a uma fórmula do Excel, serve pro jogador que tem status e salário com mais de três zeros no fim. E se a Juventus o tratou assim, a Sampdoria não fez diferente. O presidente Massimo Ferrero vociferou aos microfones quando perguntado sobre o caso, como escreve o Jornal Record.


"É uma farsa! Ele é bastante saudável. O que eles encontraram é o equivalente a uma constipação. Se a Juventus quer recuar, ele será transferido para um dos outros quatro clubes que estão dispostos a contratá-lo", ameaçou Ferrero em declarações ao jornal genovês 'Il Secolo XIX', reforçando:


"Penso que ele acabará na Juventus. Caso contrário ficaremos com ele e uma vez que a cláusula de rescisão expirou, faremos um negócio não por 30 milhões de euros, mas por 40 ou 50."


A intenção da Juventus será alterar as condições do negócio, passando a impor uma temporada de empréstimo de forma a avaliar o potencial do jovem avançado, algo que o proprietário do clube de Génova não equaciona: "A Sampdoria não vai recuar nem um milímetro nas condições acordadas."


"O rapaz é saudável, pode jogar, mas agora vamos ter de nos preocupar em descobrir quem é que colocou esses rumores em circulação, os quais podem causar sérios danos à imagem de um dos maiores talentos do futebol europeu da atualidade", encerrou Ferrero.


Note que em nenhum momento se lê sobre a arritmia, a saúde e o drama pessoal do jogador. Se o problema cardíaco de fato existe, tem importância nula pro presidente diante da possível perda financeira que o time blucerchiato venha sofrer ao ter que ‘aturar’ de volta o atacante. Sou torcedor da Sampdoria, torço pelo bem do time, mas a saúde financeira não pode sobrepor em nenhum momento a saúde humana.


Pode parecer esdrúxulo o exemplo, mas quando acontece alguma catástrofe aérea, a primeira coisa que a companhia faz é, mesmo que de forma protocolar, mostrar apoio e cuidado às vítimas e seus familiares. Mesmo sabendo que a traulitada financeira virá com força, isso fica pra depois. Faltou decência e bom senso ao presidente do clube ao usar este tipo de discurso em um momento como este.


Não acho que essa arritmia faça Schick abandonar os gramados. Mas o ‘pedaço de lata’ agora se vê em um momento crucial da carreira e da vida: ou ele sucumbe à frustração, ou encontra, enfim, seu coração. Só seu coração vai fazê-lo pulsar e dar a volta por cima.

sampdoria.it
sampdoria.it

Querido pela torcida, Schick pode encontrar em Gênova o coração que lhe falta


Mesmo tendo optado pela Juventus há dois meses, eu torço pelo jogador. Não nasce um Totti no futebol todo dia. Jogador é assim, vai e volta conforme lhe convém. Aprendi que não dá pra cobrar deles o amor e a paixão que nós, torcedores, carregamos no peito. Pelo menos diferente do presidente, a torcida blucerchiata tem mostrado carinho e humanidade pelo cara e deve recebe-lo de braços abertos. Que ele volte e encontre conforto e ânimo em Gênova. Mais do que isso, que tire lições valiosas disso tudo e transforme toda a frustração em motivação para mostrar ao Agnelli e ao Marotta que, na verdade, o que bate ali é um coração dos mais valentes.