Nainggolan, o melhor do mundo por um dia

Divulgação/Roma
Divulgação/Roma

Faltam palavras para definir as maravilhas que Radja fez no San Siro


Ele é tatuado, tem um penteado meio punk/meio lutador de MMA, uma cara de encrenqueiro e um futebol de primeira. Radja Nainggolan se converteu em um dos ídolos desta geração da Roma por sua entrega, gols e atuações acima da média do elenco. O camisa 4 é um pilar do sucesso desta temporada e fez valer seu status com um jogo impecável diante da Internazionale, em Milão.

Faltam palavras para definir as maravilhas que Radja fez no San Siro. Os gols na primeira e segunda etapa foram obras de arte. Ele sabe muito bem bater na bola e por isso marca tanto de longa distância. A qualidade no arremate venceu o adiantado Handanovic em duas oportunidades, marcando o domínio romanista e a eficiência do time de Spalletti no tão importante clássico de ontem.

Mesmo aproveitando as falhas da Inter para fazer seu jogo, a Roma ainda precisava de algo mais para vencer. Dona das ações em grande maioria dos 90 minutos, a equipe capitolina agiu como se estivesse em casa. E o catalisador desta grande exibição foi sem dúvida o iluminado Nainggolan. Quando ele saiu da marcação e bateu alto, já se sabia que faria estrago. A bola foi parar no alto da rede interista, abrindo caminho para mais um histórico triunfo na casa nerazzurra.

Nem a Roma nem Radja aceitariam sair de Milão sem os três pontos. Foi assim que ele roubou uma bola na defesa e arrancou até o ataque, desmarcado, para fazer o segundo, em outro belíssimo arroubo de talento e categoria. Handanovic simplesmente não acreditou no que estava vivenciando quando a segunda bola passou por cima da sua cabeça e morreu nas redes. Nainggolan ganhou o jogo para a Roma.


Não ganhou sozinho, pois o desempenho coletivo funcionou bem demais. Mas fez o que não se esperava dele quando a responsabilidade gritou. Dois gols que Dzeko falhou em fazer, dois lances de predestinação, de um cara que está em uma grande fase e não fica devendo em nada para qualquer outro meia que jogue na Itália.

Poucos fariam como Radja, pegando a bola debaixo do braço e resolvendo um grande clássico como Inter x Roma. O belga, que não era o melhor dos criadores na temporada passada, melhorou muito o seu jogo e preencheu a lacuna do time, carente de um armador de alto nível após a saída daquele bósnio lá.

O meia não é mais só um trombador, um cão de guarda ou aquele cara maldoso que vimos nos primeiros anos de Roma. Ele foi da água para o vinho na Era Spalletti, se é que isso tem alguma relação. Impressiona em Nainggolan o fato de ele ser tão ativo no desarme e na ligação com o ataque, muitas vezes aparecendo como o coringa para marcar e salvar a Roma de apuros. Um super-herói forjado no nosso pessimismo e na gratidão que temos com quem honra esta camisa de fato. Ele é hoje o não-romano que mais entende a Roma dentro e fora de campo. Por isso merece um crédito a mais pelas suas atuações.


Divulgação/Roma
Divulgação/Roma

Roma dominou a Inter no San Siro e teve facilidade para vencer o clássico de domingo


A Roma tem ganhado partidas com autoridade e sem depender dos mesmos caras. Podíamos até pensar que Dzeko ia fazer um jogaço contra a Inter e guardar um gol, mas a possibilidade de ter outro desfecho com algum atleta titular é o que anima para a sequência.

Temos um baita time e agora é hora de reconhecer isso. Esta Roma é capaz de espantar de vez nossos fantasmas em caráter definitivo. Quem é romanista sabe o quanto esperamos este momento. No primeiro dos quatro jogos complicados que teremos em sequência, a Roma desossou a Inter pela Serie A. Sinal verde para arrebentar igualmente no dérbi contra a Lazio, pela Coppa, e com o Napoli, no fim de semana. Melhor que isso é saber que na última rodada os napolitanos fraquejaram em casa para a perigosa Atalanta, um indício do que será este confronto direto pela segunda posição.

Louvemos Radja. Louvemos a grande fase da Roma. Na quarta-feira, o prato do dia vai ser o nosso rival, no primeiro dos dois confrontos que valem vaga na final da Copa da Itália. É hora de mais uma vingança por 2013. Nem mil novas goleadas satisfarão este desejo de atropelar a Lazio. Que assim seja.