Real Madrid a um passo da libertação

Um empate. É disso que o Real Madrid precisa contra o Málaga, em La Rosaleda, para deixar quase cinco anos de angústia em La Liga para trás. Depois da categórica conquista em 2011/12, quando o time de Mourinho alcançou a então inédita marca dos 100 pontos, foram três vice-campeonatos e um terceiro lugar.


Já são três temporadas seguidas amargando a perda do 33º título espanhol por detalhes. Tropeços que não saem da cabeça e perturbam quem está louco para voltar a dominar o país. A goleada por 4 a 1 sobre o Celta no Balaídos deixa o Madrid próximo - como nunca esteve - do alívio final.



O nervosismo pré-jogo por parte da torcida madridista era semelhante ao de duelos decisivos da Champions League. Muita coisa estava em jogo. Passaram-se 102 dias desde o polêmico adiamento da partida que valia pela 21ª rodada do campeonato. O asterisco na tabela deixava um enorme "se" nas pretensões de Real Madrid e Barcelona, postulantes ao título. Agora a pendência está resolvida, e a taça a um pontinho do Santiago Bernabéu.


O desespero no lado blaugrana da força era tão grande que os panfletos culés Sport e Mundo Deportivo estamparam a mensagem "Força Celta" em suas capas. É o que resta para quem não conseguiu andar com sluas próprias pernas. Comovente, mas não adiantou.


A atuação madridista esteve longe de ser das melhores, como o placar pode sugerir. Igualmente distante está a relação entre a expulsão equivocada de Iago Aspas e o resultado final. O placar já anotava 2 a 0 - doblete de Cristiano Ronaldo em duas assistências de Isco - e o Madrid administrava a vantagem com segurança quando o atacante adversário valorizou contato de Ramos dentro da área e tomou o segundo amarelo. Pênalti discutível, cartão exagerado.


Getty Images
Getty Images

Os craques decidem


Esse time, porém, vai sempre buscar vias pouco ortodoxas para sair vitorioso. Em vez de ampliar o controle que já se desenhava no 11 contra 11, veio a pressão do Celta e o gol de Guidetti. O time de Zidane, dessa vez, não quis brincar com fogo e logo tratou de restabelecer a ordem com Benzema, que se reencontrou com as redes e completou o bom desempenho com uma assistência para o golaço de Kroos.


O 4 a 1 em Vigo deve, sim, ser muito comemorado, dada a qualidade do adversário e tudo que envolvia o confronto. Mas é hora de colocar os pés no chão e evitar qualquer tipo de oba-oba antes da jornada final. O Málaga vem de seis vitórias nos últimos oito jogos e não será presa fácil. Para quem já esperou cinco anos, alguns dias a mais não farão diferença para soltar o grito que está entalado.