O perigo da vantagem de 3-1 para o Real Madrid

Quando enfrentou o Napoli, pelo jogo de ida das oitavas de final da Champions League, o Real Madrid sabia que, apesar do aparente favoritismo, em campo a história seria outra. Os italianos largaram na frente, mas o time de Zidane soube absorver o golpe e mostrou sua força, provando que podia assumir a condição de favorito. Entretanto, o placar de 3 x 1 pode não ajudar tanto assim.


É claro que a vantagem de gols é muito importante. Mas o retrospecto mostra igualdade em relação aos sucessos e fracassos conquistados pelo time em situações como essa nas competições europeias, como vocês vão conferir a seguir.


Getty Images
Getty Images

Ele pode decidir de novo


European Cup 1956-57 - Real Madrid x Manchester United


A primeira equipe a sucumbir após um 3 x 1 foi o Manchester United. Os ingleses haviam eliminado o Athletic Club nas quartas de final e a tarefa das semis não seria nada fácil, mas até que eles venderam caro a classificação. Após a derrota na primeira partida - gols de Rial, Di Stéfano e Mateos, os ingleses endureceram o jogo no Old Trafford e o Real Madrid saiu apenas com um empate por 2 x 2, gols de Thomas Taylor e Bobby Charlton (Manchester) e Raymond Kopa e José Héctor Rial para os merengues. A final, disputada no Santiago Bernabéu, coroou o time da casa com seu segundo título europeu, contra a Fiorentina.


European Cup 1959-60 - Real Madrid x Barcelona


Nada melhor do que um clássico contra o maior rival, não é mesmo?. Essa foi a temporada do quinto título europeu do Real Madrid e isso, por si só, já basta para exemplificar o quanto a equipe era fantástica. Os dois jogos tiveram o mesmo desfecho, vitória merengue por 3 x 1. Os gols foram marcados por uns tais de Di Stéfano (2x) e Puskás, no jogo de ida, e Puskás (2x) e Gento, calando um Camp Nou com 80 mil catalães, na volta.


Getty Images
Getty Images

Kopa e Di Stéfano festejam a conquista sobre a Fiorentina


Copa UEFA 1971-72 - Real Madrid x PSV


Não é apenas de Champions League que vive o Real Madrid. O time merengue já conquistou a Copa UEFA duas vezes, mas, em 1971, o PSV eliminou o time espanhol da competição. O placar de 3 x 1, conquistado em casa com gols de Anzarda, Aguilar e Amancio, dava aparente tranquilidade para a partida em Eindhoven, mas os holandeses souberam conduzir o confronto e, com um placar de 2 x 0, classificaram por causa do gol marcado na Espanha.


European Cup 1978-79 - Real Madrid x Grasshopper


Ainda no formato antigo da Champions League, o Real Madrid chegou até a segunda fase da então European Cup e enfrentou os suiços do Grasshopper. No jogo de ida, no Santiago Bernabéu, Juanito, García Hernández e Santillana fizeram os gols dos merengues, com Sulser descontando. No segundo confronto, em Zurique, o mesmo Sulser foi o protagonista, marcando os dois gols da vitória suiça, sendo o gol da classificação no último minuto de jogo. O Grasshopper passou pelo gol marcado fora de casa.


Copa UEFA 1981-82 - Real Madrid x Kaiserslautern


O ano em que esse que vos escreve nasceu marca aquele que foi um dos maiores fiascos merengues em competições européias. Após construir um bom placar em casa, com gols de Laurie Cunningham, Francisco García Hernández e Juanito ("Illa, illa, illa, Juanito maravilla!"), o Real Madrid foi atropelado na Alemanha, perdendo por 5 x 0. Curiosidade: o time, treinado por Vujadin Boškov, ainda contava com um Vicente del Bosque na defesa.


Getty Images
Getty Images

Antes do técnico vitorioso, del Bosque foi um defensor de qualidade


European Cup Winner's Cup 1982-83 - Real Madrid x Újpesti Dózsa


Após três eliminações com um 3 x 1 construído na primeira partida, era hora de quebrar a incômoda escrita. O placar, até então maldito, se repetiu no jogo de ida, com gols de Santillana (2x) e Juanito, e na volta o mesmo Santillana, apelido de Carlos Alonso González por ter nascido em Santillana del Mar, fez o único gol do confronto e espantou qualquer chance de outra tragédia.


Copa UEFA 1992-93 - Real Madrid x PSG


O atual novo rico francês já nos causou problema há 24 anos. A equipe era muito boa, verdade seja dita, mas os merengues tinham um verdadeiro esquadrão, com direito a jogadores da famosa Quinta del Buitre. Butragueño, Zamorano e Míchel fizeram os gols no primeiro confronto, com Ginola descontando, mas na França o PSG aplicou uma goleada por 4 x 1, com três de seus principais jogadores - Weah, Ginola e Valdo - marcando. O gol de Zamorano de nada adiantou. E o camisa 11 do Real Madrid, sabe quem era? Luis Enrique. Sim, ele mesmo.


Champions League 2002-03 - Real Madrid x Manchester United


Duas das maiores equipes do mundo mediram forças nas oitavas de final da Champions da temporada 2002-03. O Real Madrid galáctico recebeu o Manchester de David Beckham e no primeiro jogo, em casa, fez 3 x 1, com gols de Raúl (2) e Figo. Os ingleses descontaram com Ruud Vai Nistelrooy. Na volta, o que se viu no Teatro dos Sonhos foi um dos maiores jogos de futebol da história. Ronaldo (o brasileiro, antes de existiar o Cristiano) fez um hat-trick para os merengues, mas os Red Devils marcaram quatro vezes: uma com Nistelrooy, outra com o zagueiro madridista Helguera fazendo contra e mais duas com Beckham. No agregado, 6 x 5 para os espanhóis, que avançaram à fase seguinte, e a certeza de que um dos mais belos espetáculos da terra acabara de acontecer.


Getty Images
Getty Images

Ninguém era capaz de pará-lo


Quatro confrontos a favor, quatro confrontos contra. Está na hora de desequilibrar essa conta, não é mesmo? O Napoli que se cuide.