Unai não convenceu e o PSG fez uma temporada frustrante

Divulgação/PSG
Divulgação/PSG

Paris não convenceu na temporada passada


A temporada 2016-2017 se encerrou e o apaixonado pelo Paris Saint-Germain ficou com um gosto amargo na boca. Todos sabem quais são os três principais objetivos do clube a cada ano (em ordem crescente): ganhar as Copas nacionais, o Campeonato Francês e chegar pelo menos até as semifinais da Champions. E, desta vez, apenas o primeiro item citado foi concretizado, falhando nas duas principais metas.


Na Ligue 1, fomos atropelados pelo Monaco. O time de Leonardo Jardim encantou o país do início ao fim, enquanto o Paris só passou a convencer após janeiro, mas aí era tarde demais para alcançar Mbapé e companhia. Na Champions, decepcionamos desde o princípio. Foram dois empates com o Arsenal e muito sofrimento diante do Ludogorets em ambos os duelos da fase de grupos. Nas oitavas, fizemos um milagre em Paris, e depois jogamos tudo por água abaixo lá na Catalunha, com requintes de crueldade e uma covardia nunca antes vista.


Ganhamos os três títulos menores do cenário nacional – Troféu dos Campeões, Copa da Liga e Copa da França – goleando Lyon e Monaco (duas vezes), mas isso nem de longe salva o ano. Apenas serve para ficar aquele ressentimento, do tipo “olha o que poderíamos ter alcançado se jogássemos mais vezes assim durante a temporada, especialmente em jogos chave”.


O trabalho de Unai não me convenceu. Demorou demais a achar uma fórmula e, mesmo assim, falhou miseravelmente no jogo mais importante. Deverá continuar, pela falta de outros nomes de peso no mercado a um ano da Copa do Mundo, e na esperança que a tal sequência mostre resultados melhores. Honestamente, não acredito nele.


Getty Images
Getty Images

Primeiro ano de Unai foi ruim, mas ele deverá permanecer em Paris


Fora de campo, o clube já trouxe Antero Henrique, o primeiro diretor esportivo de verdade desde a saída de Leonardo em agosto de 2013. Trata-se de uma ótima notícia, pois o português tem um olhar precioso na hora de captar jovens e baratos talentos no mercado. Só que a pressão será grande e imediata, visto o ano ruim que acabamos de passar. O projeto voltou a ficar em dúvida e a torcida está desconfiada, após os largos passos atrás que demos recentemente. Cabe aos profissionais do clube, em especial os atletas, mostrarem que 2016-2017 foi um acidente de percurso.


A nossa parte faremos.