De saída, Maxwell deixará saudades no PSG

Divulgação/PSG
Divulgação/PSG

Max, um 'monsieur' dentro e fora de campo


A temporada vai se encerrando e, ao que tudo indica, a passagem de um dos maiores jogadores da história do Paris também. O brasileiro Maxwell tem contrato até junho deste ano e, a menos que haja uma reviravolta, não teremos uma extensão. O que seria uma perda enorme ao clube como um todo.


Max chegou ao Parc em janeiro de 2012, e logo de cara ganhou a confiança de todos. Se antes era mais conhecido por seu poder ofensivo, com a ajuda do italianíssimo Carlo Ancelotti aprendeu a marcar melhor e esta então acabou se tornando uma de suas maiores qualidades. Regular, sólido e veloz, foi sempre peça importante no elenco dentro de campo. Fora das quatro linhas, se destaca ainda mais. Trata-se de um grande exemplo, sempre sereno e líder, servido de apoio aos mais jovens e um dos mais racionais entre os experientes. Não à toa serviu como ponte entre Ibra e os demais no Paris e em outros lugares, em relação de respeito e admiração mútua.


Nesta temporada, Kurzawa foi o titular. Algo natural e necessário, já que o francês precisa de mais cancha para assumir a vaga do brasileiro, que está de saída. Mas Layvin não correspondeu ainda às expectativas. Ofensivamente não tem tanta presença como nos tempos de Monaco e, defensivamente, ainda é falho. Times como Barcelona e Monaco deitaram e rolaram por ali. Max acabou ganhando mais chances nesta reta final, com a contusão de seu companheiro de posição. E a cada jogo que passa, mostra o quanto sentiremos saudade. Sua classe é sempre um dos pontos altos das partidas, com segurança lá atrás e cruzamentos milimétricos lá na frente. Com só 18 jogos nesta edição da L1, já soma seis assistências – ficando atrás só de Di María no elenco.


Divulgação/PSG
Divulgação/PSG

São seis assistências em 18 partidas nesta Ligue 1


A partida de Max é cada vez mais iminente, e tenho só que agradecer pelos serviços prestados dentro de campo, além da postura exemplar fora dele. É uma pena que Max tenha tido poucas oportunidades na Seleção – e que também não tenha mostrado todo o seu potencial quando atuou, verdade seja dita – pois muitos brasileiros que não o acompanham têm uma ideia muito errada sobre seu talento.


Será difícil suprimir sua ausência, Max!