Um vexame do tamanho da incompetência deste PSG

Divulgação/PSG
Divulgação/PSG

Vexame, puro vexame no Parc


O Paris versão 2016-2017 de Unai Emery é uma vergonha só. Ele às vezes até dá sinais de que veremos dias melhores, como no primeiro jogo da temporada contra o Lyon ou na rodada passada da Champions contra o Arsenal, em Londres. Mas fora estes dois momentos distintos, andamos em um caminho que intercala vitórias enganadoras com vexames. Hoje, contra o “poderoso” Ludogorets, foi mais um daqueles dias onde você não sabe por onde começar a xingar os parisienses.


Tínhamos de tudo para nos classificarmos em primeiro lugar. Era “só” vencer o Ludogorets em casa, o que, com todo respeito, não era para ser uma tarefa tão difícil. Só que saímos de campo com um mísero empate, conquistado aos 46 minutos do segundo tempo, dos pés do jogador mais decepcionante na partida e na temporada em si. Ángel Di María é o atleta mais talentoso deste atual elenco, mas faz um ano sofrível, ridículo. E, mesmo assim, custa a ser substituído por Unai. Precisa esquentar o banco há tempos, para ter vergonha na cara e se dedicar mais, só que tem cadeira cativa no time.


Cavani talvez seja o único que o torcedor possa pegar leve hoje. Na única chance real que teve, fez um golaço de bicicleta. Sim, contou com a trapalhada da defesa, sim, espera-se que alguém deste porte busque mais o jogo e seja mais participativo, mas pelo menos fez um golaço na única bola decente que recebeu.


Divulgação/PSG
Divulgação/PSG

Não dá para confiar que Ben Arfa vá resolver algo


Lucas fez um primeiro tempo muito bom, sendo o único a criar algo na equipe. Sempre sozinho. Porém, sua etapa final foi no mínimo vergonhosa, errando literalmente tudo. Ben Arfa, o nosso “articulador”, até tentou, mas está nitidamente fora de forma para atuar em alto nível. E Marquinhos, zagueiro extremamente talentoso, que depois de falhar feio no final de semana contra o Montpellier (onde perdemos por 3 a 0 para um time que briga para não cair na Ligue 1, só para ressaltar), hoje foi completamente bizarro em campo. Areola, nosso goleiro, também falhou ao ir com “mãos de alface” no segundo tento búlgaro.


Motta foi Motta, e isso já diz muito de seu desempenho. Thiago Silva foi nosso melhor avante, ao mandar duas bolas na trave, o que diz bastante sobre nosso ataque. Mas ninguém supera Unai Emery no quesito irritação com o torcedor.


Divulgação/PSG
Divulgação/PSG

"Vou para o tudo ou nada! Tá na hora de trocar os dois laterais, quem sabe assim o time fique mais criativo..."


O time perdia em casa, com uma atuação vexatória. O que ele faz? Espera 80, eu disse OITENTA minutos de peleja para fazer uma substituição. E o que ele faz? Troca um lateral pelo outro (Maxwell por Kurzawa). O time não melhora nada e o que ele faz? Troca o outro lateral pelo seu suplente (Meunier por Aurier), aos 88 minutos. Olha, meus parabéns, El Professor! Você conseguiu ser mais irritante do que qualquer um dos 14 patéticos atletas que entraram em campo.


O PSG está perdido. Dentro e fora de campo. Se não contratar alguém de peso em janeiro, vamos passar mais vexames ainda em 2017. Porque com essa falta de vergonha na cara, não há paciência que resita.