'Após o Paulista, eles vão tomar um chute no traseiro'

Brigas internas entre grupos políticos, o fantasma do "Caso Héverton" assombrando há anos, bens bloqueados, estádio com risco de leilão e agora com a equipe na zona de rebaixamento para a Série A3 do Campeonato Paulista. Isso mesmo torcedor, para a terceira divisão estadual. Em meio a este cenário, teria como piorar? Em entrevista à Equipe Líder, na noite da última segunda-feira (13), o presidente Alexandre de Barros fez uma declaração polêmica sobre o desempenho da equipe.


Rafael Valente/ESPN.com.br
Rafael Valente/ESPN.com.br

Presidente admitiu culpa com relação ao planejamento e ressaltou que deve ter cortes no elenco ao final do estadual


"Quem tem culpa é quem contratou os jogadores, que sou eu. Eu contratei porque, pela peça orçamentária nossa, era o que cabia. Eu não posso vir a público dizer de fulano, ciclano e beltrano. E é óbvio que, quando terminar o Paulista, eles vão tomar um chute no meio do traseiro bem dado. E eles já sabem, pois eu sou franco com eles. Dentro do vestiário e da reunião com eles, falo para cada um que não está correspondendo. Agora eu não posso vir a público e dizer isso", afirmou.


O dirigente ainda pediu apoio aos torcedores para o próximo confronto entre Portuguesa e Rio Claro, segunda-feira (20), às 20h, no Canindé. Agora vem a pergunta: depois de uma declaração dessas, como os jogadores serão incentivados? Capacidade muitos ali têm, mas uma fala dessas é um balde de água fria para qualquer um, seja torcedor, jogador, técnico, comissão ou funcionário.


Como torcedor, prefiro fazer outra declaração, que o próprio presidente deveria ter utilizado, bem mais franca e que pode ajudar a dar a volta por cima. A equipe não é ruim, fez alguns bons jogos. Exemplo disso são as partidas contra o Uniclinic e Boavista, ambos pela Copa do Brasil, e contra o próprio Bragantino, apesar de não ter conseguido o resultado esperado. Tem uma boa capacidade defensiva com relação a anos anteriores, mas falta objetividade na criação e ataque. Torçamos para que as novas peças estejam à disposição de Estevam Soares o mais rápido possível e possamos dar a volta por cima diante do time do interior paulista.


Devemos, sim, ir ao Canindé e apoiar os atletas que envergam o nosso manto, pois eles aceitaram o desafio. Mas o que posso dizer é que a declaração, embora com o sentido de ajudar, pode piorar ainda mais o ambiente lusitano. 


Cornetou


Divulgação/Portuguesa
Divulgação Portuguesa

Jogador criticou falta de vontade do elenco na partida contra o Bragantino


E não apenas o presidente criticou o desempenho da equipe no estadual. Contratado recentemente como uma das esperanças de gols da Rubro-Verde, o atacante Rico soltou o verbo na saída do gramado, após a derrota para o Bragantino e ressaltou que falta um pouco de vontade para a Rubro-Verde.


“O nosso time mais uma vez não jogou tão mal, mas falta mais um pouco de vontade (...) Entrei no segundo tempo, movimentei bastante, marquei, joguei. Meu papel eu fiz. Os outros jogadores também precisam fazer os deles. Toda vez que entrar, será com vontade (...) É complicado, não sei explicar. Eu garanto que dei o meu máximo, briguei, lutei, mas nosso time não conseguiu reverter a situação”.


Parceiros


Ainda em sua entrevista, o presidente lusitano voltou a falar sobre a busca por patrocinadores, admitiu que a má fase da equipe não tem permitido conseguir novos parceiros. "Aqueles que acreditaram no projeto no começo e estão juntos dão continuidade. Os que não entraram, vão mais para frente, quando o momento que a Portuguesa estiver bem. Logo mais a Portuguesa vai conquistar duas ou três vitórias. Isso é normal. No mundo é assim. Em qualquer segmento", completou.


Otimismo


Na contra-mão da declaração do presidente, o técnico Estevam Soares pretende aproveitar a semana sem jogos para trabalhar os erros da equipe e buscar a vitória diante do Rio Claro. “Temos essa semana de treinos para ajustar o que não funcionou no jogo em Bragança Paulista. Precisamos trabalhar algumas situações para que a equipe possa melhorar o seu nível e alcançar o resultado positivo”, destacou, em entrevista ao site oficial da Rubro-Verde.


Em Bragança


Reprodução/FPF
Reprodução FPF

Súmula da partida entre Portuguesa e Bragantino 


O presidente Alexandre de Barros comentou também sobre a discussão com o presidente Marcos Chedid antes do início da segunda etapa entre Portuguesa e Bragantino, no último final de semana, no Nabi Abi Chedid, e que foi divulgada pelo Ordem de Avis. O mandatário questionou, no final do primeiro tempo, o cartão amarelo dado ao goleiro Ricardo Berna pela demora em advertir o atleta do Braga pela falta no zagueiro Everton e a demora para liberar a entrada do médico para tratar o jogador. Clique aqui e veja a súmula na íntegra da partida entre Lusa x Bragantino. 


"Eu apenas dialoguei com o árbitro da partida, com a maior educação e respeito dizendo desses lances. Ele disse 'esse cidadão ai', ele não sabia que eu era o presidente da Portuguesa. Até porque ele não foi no Conselho Arbitral quando eu estava lá e ele não sabia. (...) Ai ele começou a falar 'Eu estou mandando. Aqui mando eu. Na minha casa mando eu, faz do meu jeito'. E eu falei que não era assim não. Aqui é um campo de futebol e ele me falou 'Mas quem é você' e falei que era o presidente da Portuguesa e ele do Bragantino. Que o direito dele é o mesmo que o meu. Nós dois estamos jogando um time contra o outro. E foi quando ele tentou me agredir. Foi quando ele foi para cima de mim, eu soltei e chegou a turma do deixa disso para separar quando ele tentou, pois ele estava tentando me arrancar na pancada, quando isso não iria acontecer. Eu pedi para a Federação relatar o fato ate´o final para que isso vá para o tribunal e lá isso seja esclarecido e seja resolvida tanto a situação dele quanto a minha".