Porto: quando a melhor defesa é o ataque

Getty Images
Getty Images

Sérgio Conceição começa a deixar sua marca no Porto


Já foi o tempo em que um bom desempenho defensivo era sinônimo de retranca. A evolução tática do futebol trouxe novos conceitos, impactando a construção de jogo das equipes.


Por exemplo, a Juventus de Massimiliano Allegri, a melhor defesa da Europa na última temporada. Um time concebido através de uma defesa sólida e um ataque vertical e eficaz. É justo dizer que a Juve foi construída a partir do setor defensivo, mas não de que se trata de uma herdeira direta do tão famoso catenaccio italiano.


Curta o À moda do Porto na Facebook


Em um futebol cada vez mais exigente do ponto de vista tático, é sempre necessário que o time jogue em bloco, seja na fase defensiva ou na ofensiva, cabendo a todos os jogadores fazerem parte do processo.


Ainda é cedo para dar um rótulo ao Porto de Sérgio Conceição, mas já é possível fazer uma leitura do que o treinador pretende implantar. No ataque é bem clara a intenção de um time intenso e vertical, mas e na defesa?


Os Dragões não sofreram um gol sequer após dois jogos na Liga Portuguesa, mas estão longe de ser um time considerado defensivo. A solidez vem justamente pelo caráter ofensivo dos azuis e brancos.


Getty Images
Getty Images

Iker Casillas ainda não foi vazado nesta temporada


Por conta de tal perfil, o Porto costuma avançar as linhas, afastando o adversário do seu próprio gol. Além disso, apesar do caráter vertical em sua postura, o clube da Invicta é dono da melhor média de posse neste início da Liga, ficando 59,9% do tempo com a bola no pé, segundo dados do site whoscored.com.


Soma-se a isso a marcação pressão imposta pelo treinador. Mesmo sem a posse, os portistas agridem o adversário durante todo o tempo, o deixando constantemente em uma situação desconfortável.


O resultado disso é um Porto menos exposto pelos rivais. Foram apenas 14 finalizações (entre certas e erradas) sofridas em duas partidas, colocando o time como o segundo menos atacado no campeonato, atrás apenas do Moreirense (13 finalizações), que curiosamente é o adversário deste domingo.


Também é preciso ressaltar a qualidade técnica dos jogadores da defesa, praticamente a mesma da temporada passada (exceto pela entrada de Ricardo Pereira no lugar de Maxi Pereira), quando a equipe sofreu apenas 19 tentos em 34 rodadas da Liga Portuguesa.


Até aqui a preocupação fica por conta dos contra ataques adversários, situação de jogo em que os Dragões ainda não foram devidamente testados por Estoril e Tondela, os dois primeiros adversários na Liga.