É a hora de repensar o comando na Ponte Preta?

Por Rodrigo Vieira, autor convidado


Gazeta Press
Gazeta Press

É hora de repensar Kleina no comando da Macaca


Se a luz amarela acendeu no domingo contra o Vasco, agora o sinal que se acende no Majestoso é o vermelho. E no vermelho, quem tem prudência para.


A Ponte precisa parar para pensar nesse primeiro turno em que dependeu das vitórias em Campinas para respirar. E agora, que paramos de vencer com aquela facilidade? Repensar nesse desempenho pífio fora de casa, nessa dificuldade para a bola chegar lá na frente, seja pela lateral seja pelo meio-campo desajeitado, descompactado, cheio de volante, e volante mediano/ruim. E aí somos obrigados a repensar Gilson Kleina.


Todos os anos a Macaquinha tem feito grupos fortes, com o reforço de um ou outro jogador mais caro (ou emprestado) e a aposta em trazer destaques dos estaduais, tentar tirar bons elementos do começo das temporadas, atraídos por essa vitrine de alto padrão que nos tornamos. Grupos fortes dependem de entrosamento, jogada ensaiada, organização. E a conta só fecha com um bom técnico. Aquele que muda de postura quando algo vai mal, o oposto de Kleina - e aquilo falo de todo primeiro turno.


O mercado tem dois nomes recentes que já foram muito bem em Campinas: Jorginho - ah, Sul-americana - e Eduardo Baptista. Cujas forças eram exatamente a inteligência de criar alternativas com o pouco que tinham e de unir o grupo na marra. Vale ressaltar. Pelo receio de um segundo turno pedreira que vem aí, tradicionalmente mais complicado que o primeiro, apostaria em algo diferente.


Gazeta Press
Gazeta Press

Artilheiro Lucca passa mais uma vez em branco


Essa Luccadependência é extremamente frágil quando nosso artilheiro prefere ficar dando xilique em vez de jogar. Contra o Vasco era o tempo todo preocupado com ceninha, em vez de jogar bola, ir para cima daquela zaguinha mais ou menos. Achei que contra o Fluminense sua postura mudou, mas ainda está muito abaixo daquele Lucca.


Aliás, Sheik novamente é o unico que pôde ser louvado, além do apoio da torcida. Ah, talvez a ausência de Rodrigo também possa ser exaltada. Leo Arthur tecnicamente é reserva de série B. Não tem bola para vestir o manto. Danilo é bom lateral, embora também tenha estado muito abaixo. Precisávamos dele na linha ofensiva esquerda, mas é muito erro individual, bola fácil em que mata a jogada e deixa a torcida impaciente. Jeferson também leva nosso respeito por outros motivos, por ser esforçado, criado na base, mas vamos admitir, né... infelizmente não é lateral de série A. Disposição nem sempre é tudo. Nesse caso, é muito pouco.


Dois pontos em casa contra medianos Vasco e Fluminense em um momento importantíssimo. Onde poderiam ser seis. Ou nove se contarmos o péssimo desempenho do Vitória como mandante. Jadson, Jean Patrick, Luan Peres... que o baixo nível do adversário esteja sempre aí por nós... e Kleina não.


Gazeta Press
Gazeta Press

Abel Braga recebe todo o carinho de jogadores e torcida pontepretana


Saudações especiais a Abel Braga, unanimidade no Majestoso pelo seu caráter, dignidade e identificação pelo nosso preto e branco.