Tragédia anunciada: Ponte é eliminada para o Cuiabá

Gazeta Press
Gazeta Press

Goleiro Henal defendeu fácil a fraca cobrança de Matheus Jesus


Não foi por falta de aviso. Aliás, essa foi uma das tragédias mais anunciadas da história da Ponte Preta. Sem jogadores de qualidade e com um aprendiz de técnico à beira do gramado, os resultados conquistados no Paulistão não escondiam as péssimas atuações. Em mais uma noite muito infeliz, a Macaca apenas empatou, em 1 a 1, contra o modesto Cuiabá, e foi eliminada da Copa do Brasil nos pênaltis.


A vergonha começou quando a partida sequer foi transmitida pela televisão. São duas emissoras esportivas detentoras dos direitos da Copa do Brasil, (SporTV e Fox Sports), cada uma com no mínimo dois canais. Nenhuma transmitiu Ponte Preta x Cuiabá. Prova da insignificância alvinegra nos bastidores do futebol brasileiro. Ou Paraná x Figueirense, pela Primeira Liga, dá mais audiência?


Em campo, a Macaca começou dominando as ações do jogo, como costuma fazer na temporada. Abriu o placar numa cobrança de falta magistral de Lucca e mais uma vez recuou demais. O time do filho do Marco Aurélio deixou o Cuiabá gostar do jogo e, em falha do setor defensivo, o time mato-grossense chegou à igualdade.


Se o primeiro tempo foi ruim, o segundo foi desastroso. Foram pouquissimas oportunidades de gol do lado do time da casa. Já nos minutos finais, era o Cuiabá quem mais assustava e teve duas chances de ouro para sair de Campinas com a classificação ainda no tempo normal. Nessa altura, a paciência dos torcedores que deixaram suas casas e foram, debaixo de chuva, apoiar o time já havia se esgotado. Aos gritos de "Raça", "Queremos jogador", "Time sem vergonha" e xingamentos ao técnico Felipe Moreira, a partida se encaminhou para a disputa de pênaltis. 


Gazeta Press
Gazeta Press

Aranha teve até chances de pegar algum pênalti. Não repetiu Guará em 2008


Visivelmente fora de forma - também avisamos aqui ao início do ano -, Aranha não foi capaz de defender nenhuma cobrança do time do Centro-Oeste. Matheus Jesus, o menino bom de bola mas sem NENHUMA vontade, foi displicente e desperdiçou o seu tiro, culminando na vexatória eliminação da Ponte Preta na segunda fase da Copa do Brasil.


E ainda nem engolimos a desclassificação para o Galo, nas oitavas de final, em 2016. 


Dias contados  


Gazeta Press
Gazeta Press

Felipe Moreira é incapaz, mas não é o principal culpado pela eliminação


É muito chato ter de dizer o famoso "Eu avisei". Porém, as críticas de cardeais foram grandes quando, aqui nesse blog, foi dito que a demissão de Moreira era questão de tempo. Agora, o estagiário, a aposta, o despreparado comandante está no fio da navalha. Levou pancada de todos os lados da imprensa campineira na coletiva após o jogo. Mas Felipe está ali por um motivo. 


Menor dos culpados


Óbvio que Felipe Moreira não é o principal culpado pela atual situação degradante da Ponte Preta e sua relação para lá de turbulenta com a torcida. Moreirinha é passageiro. Foi colocado no posto de treinador para economizar dinheiro e cumprir com o objetivo de não brigar por nada no primeiro semestre. Dure o tempo que durar. Mantendo o foco só e somente no superávit e saúde financeira. Balela que o pontepretano não suporta mais ouvir falar. 


Gustavo Bueno foi quem avalizou sua contratação. Elenco esse também montado pelo filho do Dicá. Péssimo. Com poucas opções em cada posição e jogadores de terrível qualidade técnica para uma equipe de série A.


E a alta cúpula? O buraco é lá em cima. Sérgio Carnielli só quer saber de recuperar seu dinheiro de volta. A prova disso foi a enquete lançada oficialmente hoje pelo clube, mais uma vez, puxando o assunto da tal Arena. O verdadeiro túmulo da Ponte travestido de modernidade. A "nova casa" vai quitar as dívidas com o 'de honra' e afundar a Macaca em outras despesas. 


Vanderlei Pereira é figurante, nem para a Ponte Preta torce. O vice-presidente Giovanni Dimarzio se especializou em brigas online. Se protege na capa de ser um pontepretano vindo da arquibancada, mas não consegue admitir, de jeito nenhum, que é um dirigente amador. E o futebol de hoje não tem espaço para não-profissionais.  


Todas as pedras foram cantadas no #MacacaNaESPN e por grande parte da torcida alvinegra mais fanática. Que teve de ouvir que "torcia contra", que éramos "corneteiros", "o que faziamos para ajudar?", "desce a avenida", entre outras frases de disco arranhado proferidas pelo conclave que parece torcer para a diretoria, e não para a Ponte Preta. 


É muito triste passar pelo que passamos hoje. Ouvir de irmãos de arquibancada que eles não se interessam mais em ir ao Majestoso. Talvez a Macaca nunca volte a ser aquela que nos apaixonou, que nos encantou, que ainda nos deixa doente por ela. Mas resistência sempre vai haver. E a torcida pontepretana apaixonada vai precisar estar lá para reerguer o castelo quando ele inevitavelmente desabar.