Palmeiras enfim vence com inteligência e sem sustos

Cesar Greco/Ag Palmeiras/Reprodução
Cesar Greco/Ag Palmeiras/Reprodução

Keno manteve a rotina de fazer gol no Sport e matou o jogo no finzinho do primeiro tempo


Futebol não tem a menor lógica mesmo. Hoje, com uma escalação que a princípio parecia terrível, com meio-campo em estado de criatividade zero, o Palmeiras fez provavelmente sua melhor partida nas últimas semanas e venceu o Sport por 2 a 0, sem tomar nenhum susto - ok, teve a bola na trave do Diego Souza, mas já se iam mais de 30 do segundo tempo e o jogo estava sob controle.


Curta a página do blog no Facebook


De fato, a criatividade não foi o forte, e nem tinha como ser se o principal responsável pela armação era o Jean, mas também não foi preciso: o Palmeiras finalmente soube jogar de forma reativa, com inteligência. Não teve gol besta sofrido logo no começo, nem desespero, o que facilitou as coisas.


Letal no ataque, otime aproveitou as duas melhores chances que teve e abriu 2 a 0 ainda no primeiro tempo: primeiro Bruno Henrique deu uma NUCADA na bola, que fez uma curva e enganou todo mundo do Sport, e depois o mesmo Bruno Henrique encaixou um belo lançamento para Keno tocar para o gol, cara a cara com Agenor. Foi o cara do jogo, e eu queria ver o pessoal que depois da partida contra o Flamengo estava xingando ele o que tem a dizer agora.


Ao contrário do jogo contra o Flamengo, contudo, a defesa se portou de forma correta o tempo todo. Soube se segurar nos momentos de maior pressão do Sport, deu chutão sem medo e Jailson apareceu quando necessário. No segundo tempo, o time espanou quando foi preciso e ainda perdeu umas poucas chances, mas soube manter a bola longe do gol durante a maior parte do tempo, o que era o mais importante.


Foi bom ver um Palmeiras com inteligência, levemente parecido com o Palmeiras de 2016. Em meio a uma maratona que já dura dois meses e vai para mais um, não havia necessidade de correr desesperadamente em busca de uma goleada. Sim, eu preferia que ele tivesse entrado com Raphael Veiga, mas Cuca viu um jogo com menos espaço para categoria e acertou - por isso ele é o técnico e eu sou só um torcedor.


Agora vem a decisão de quarta-feira contra o Cruzeiro. Que o time entre ligado desde o começo, sem esperar tomar um gol besta pra acordar, e possa jogar de novo com a mesma inteligência deste domingo para chegar às semifinais. Sim, o palmeirense é faminto e quer todos os títulos. Quem mandou nos encher de esparanças?