78 pontos: o caminho do Palmeiras em busca do deca no Brasileiro

Cesar Greco/Ag Palmeiras/Reprodução
Cesar Greco/Ag Palmeiras/Reprodução

Será preciso rodar esse elenco para conseguir os 78 pontos, Cuca


Assim como no ano passado, preparei uma planilha para acompanhar de perto as chances de o Palmeiras conquistar o decacampeonato brasileiro de acordo com a sequência de partidas na competição que, para nós, começa neste domingo contra o Vasco, no Allianz Parque.


Vale lembrar que em 2016 fiquei muito perto do planejamento: o time terminou o campeonato com 80 pontos, apenas um a menos do que previ, mas suficiente para conquistar o título com nove pontos de vantagem para o vice-campeão Santos. Neste ano, a previsão está um pouco mais modesta: 78 pontos, quantia que continua suficiente para ser campeão. Vale lembrar que os vices de maior desempenho desde 2006, quando se adotou o formato atual, com 20 clubes, foram o Grêmio, em 2008, e o Atlético-MG, em 2012, ambos com 72 pontos.


A pontuação em casa continua decisiva, mas a previsão agora é um pouco mais realista: se no ano passado projetei 19 vitórias e foram 14, com quatro empates e uma derrota, desta vez apontei 16 vitórias e três empates – contra Grêmio, Atlético-PR e Cruzeiro, que podem não ser os principais adversários ao título, mas são times que costumeiramente nos dão trabalho. Como visitante, marquei seis vitórias, nove empates e quatro derrotas – nos clássicos contra Santos e Corinthians, contra o Flamengo, apontado como favorito ao título pelos jornalistas aqui da própria casa, e o Atlético-MG, nossa asa negra dos últimos anos. Ainda nos clássicos, vitórias em casa contra os três rivais e empate contra o São Paulo no Morumbi, onde encaramos um tabu de 15 anos, já na terceira rodada – ano passado perdemos, na quarta rodada, mas desta vez a fase do corimão é ruim e me permiti marcar um empate. Confira: 


Fernando Cesarotti/Corneta & Amendoim
Fernando Cesarotti/Corneta & Amendoim

 


Obviamente não se trata de uma loteria nem de uma ciência exata, e por isso nem todos os resultados acontecerão como o previsto, mas trata-se de uma meta definida, algo que costuma ser adotado pelas comissões técnicas em competições de longo prazo, Nem nos meus campeonatos de botão dos anos 80 o Palmeiras saía com 100% de aproveitamento, sofria umas derrotas para dar emoção.


O ideal é que resultados bons e surpreendentes compensem tropeços – como as vitórias fora de casa contra Inter e Sport, no ano passado, compensaram a derrota em casa para o Galo e os empates contra Cruzeiro e Ponte Preta. E que a pontuação idealizada seja principalmente um guia para nortear ações e decisões da comissão técnica.


A cada seis ou sete rodadas, voltarei ao tema para acompanharmos a evolução da tabela e sabermos as chances reais de título do Palmeiras. A Libertadores pode ser a obsessão, mas, para vencer o Brasileiro, é preciso jogar com inteligência, e Cuca já deu provas no ano passado de que sabe fazer isso. Que a bela história do ano passado possa se repetir em 2017.


Curta a página do blog no Facebook e fique de olho em meus vídeos e fotos no jogo de domingo contra o Vasco.