Vitor Hugo precisa de um chá de banco no Palmeiras

Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação
Fabio Menotti/Ag Palmeiras/Divulgação

Seguro e eficiente, Edu Dracena merece ser titular ao lado de Mina


Foi em setembro do ano passado que eu ouvi pela primeira vez: "Eu avisei, a dupla de zaga ideal é essa: Edu Dracena e Mina". Meu colega jornalista e professor Pedro Courbassier me disse isso enquanto estávamos assistindo ao dérbi do segundo turno do Brasileirão, na quadra da Mancha aqui em Sorocaba. Ele já tinha cantado a bola antes: Vitor Hugo não era 100% confiável, falhava às vezes, e a atuação segura de Dracena e Mina naquela partida em que o rival quase não nos ameaçou só consolidou a opinião do amigo.


Mas Vitor Hugo voltou e foi muito bem na reta final de nossa conquista. Embora tenha dado alguns sustos no empate contra o Galo no Independência, mostrou segurança e ajudou a consagrar o sistema defensivo da equipe, uma muralha que quase não tomava gols.


E Vitor Hugo é um cara divertido, fanfarrão, que escreve bobagens engraçadas no Instagram e encarnou muito bem o espírito palmeirense que a torcida adora - símbolo disso é que sua cambalhota está na vinheta de abertura dos vídeos da TV Palmeiras. Superou a turbulência do mau começo, quando entregou a rapadura no primeiro dérbi do Allianz Parque, e virou titular absoluto nos últimos dois anos.


Mas bola, bola mesmo, em 2017 ele ainda está devendo. E ainda por cima vacilou feio no jogo de Itaquera, com a cotovelada fora do lance que pode lhe render um bom gancho no resto do Paulista.



A expulsão em Tucumán foi a gota d'água. Se no em Itaquera reclamamos da falta de pilha do time, que parecia estar disputando um jogo qualquer, na Argentina foi o contrário, com disposição até excessiva, e o zagueirão errou. Por mais que a expulsão tenha sido exagerada, juiz caseiro e mais rigoroso contra time brasileiro não é novidade na Libertadores. Nos dois lances Vitor Hugo poderia ter entrado com mais calma e menos espalhafato.  Prejudicou o time, que voltou da Argentina com um empate sem sal.


É verdade que Dracena não é um jovenzinho e Mina vem de problemas físicos que devem limitá-lo em alguns jogos. A lesão de Thiago Martins é triste porque o moleque poderia ganhar ainda mais cancha, mas Antonio Carlos foi bem na roubada em que entrou e pode ser usado com tranquiilidade.


Há também a questão do posicionamento: Edu Dracena e Mina são acostumados a jogar pela direita, e isso pode fazer diferença numa defesa em linha. Mas já deu certo em outras vezes, e é apenas uma questão de ajuste nos treinos, já que Vitor Hugo também é destro e isso nunca o atrapalhou, aparentemente. (Alertado por leitores, corrijo: Vitor Hugo é canhoto, sim. Mas não acho que ser canhoto seja fundamental para jogar pelo lado esquerdo.)


VH hoje deve ficar como terceira ou quarta opção para o miolo de zaga. Alguns leitores concordam, segundo consulta que fiz ontem no Facebook. para dar uma acordada, pensar um pouco e entender que, no Palmeiras, no futebol e na vida, brincadeira tem hora e a gente precisa aprender quando é preciso ser 100% sério.



Olha que é raro eu concordar com o Alê Oliveira, hein? E você, discorda? O que acha? Deixe sua opinião na caixinha e aproveite para curtir a página do blog no Facebook.