A camisa 10 napolitana de Maradona não pode ser desaposentada

Em meio às chatices da janela de transferências que já começam a correr o noticiário uma partidaça de Insigne (pra variar) na última Data Fifa criou uma questão.


Insigne vestiu a sagrada camisa 10 da seleção italiana, de tantos craques, como Sívori, Antonio Juliano, Gianni Rivera, Baggio, Del Piero, Totti, e outros até de fora da posição, como Facchetti, Berti, De Rossi e Thiago Motta, e levantou uma dúvida aos torcedores napolitanos: por que não dar a camisa 10 do Napoli a Insigne?


A retirada de uma camisa é algo que sempre causa controvérsia. Os defensores do retorno da camisa 10 do Napoli alegam que isso seria pra manter o sonho de jovens crianças de vestir a camisa 10. Ou então para manter o legado do homenageado vivo.


Mas essa situação tem um problema: sempre que há uma camisa vestida por alguém no futebol, há uma pressão de ser pelo menos o mínimo que esse ídolo do passado foi. Quem nunca falou é um "é uma desonra esse aí usar a camisa 10 que o fulano tanto jogou bem"?


A nossa camisa 10 foi aposentada em 2000, por homenagem a um certo Diego Armando Maradona. Ele dispensa apresentações. Ou melhor, se você quer apresentações, nesse momento faço um jabá dos meus 4 textos contando a história daquele Napoli (1 - 2 - 3 - 4).


E tudo isso não é uma questão de que o Napoli não supera o seu passado. Alguns rivais são exemplo disso. A Roma aposentou a camisa 6 de Aldair em 2003, e só voltou com ela em 2013, porque o próprio "Pluto", como era chamado o brasileiro pelos romanistas, pediu o retorno do número, e hoje ele é usado por outro jogador querido por eles, Strootman.


A Inter mantém aposentada a camisa 3 do seu ídolo Facchetti e recentemente aposentou a camisa 4 de Javier Zanetti. No Milan, ai de quem ouse tocar a 6 de Baresi. Ou então a 3 de Paolo Maldini que só é reservada a seu filho Christian Maldini ou outro sortudo de ter o gene da família.


Insigne não precisa provar nada a ninguém de que é um craque. Já conquistou títulos com a camisa do Napoli sendo decisivo. A cada temporada prova mais e mais na bola, fazendo gols, vencendo jogos, dando passes e jogando o seu futebol. Só nisso já foi um dos melhores da temporada 2016-17 nas estatísticas e avaliações.


Mas vestir a 10 lhe daria uma pressão desnecessária. Por mais que não finjam que não seria assim, imagina um jogo grande ruim de Insigne. Vão jogar pedras nele dizendo que ele não está à altura do número. Vai basicamente colocá-lo pra viver um confronto interno contra alguém que não joga no Napoli há 26 anos.


Insigne tem de construir ainda mais a sua história. Não que ele não tenha, como disse acima, ele não precisa provar que é um craque. Mas fazer a sua história com a camisa 24 do Napoli, a que ele joga, e a que ele quer jogar, segundo declarações de seu agente.


CURTA - Página do Blog Partenopeo no Facebook


SIGA - Página do Blog Partenopeo no Twitter


Porque a camisa do Napoli em si já pesa pra muita gente. A 10 do Napoli pesa em dobro. Não é coincidência que de todos os que vestiram a 10 depois de Diego até 2000, e no período da Serie C, onde a numeração deveria ser de 1 a 11, onde Roberto "Pampa" Sosa foi o que vestiu a 10, poucos se deram bem.


E justamente quem se deu bem foi entre eles foram só Zola, que já jogava junto com Diego, e Roberto "Pampa" Sosa, que trouxe o Napoli de volta à Serie A depois do inferno. Entre esses dois, nenhum se firmou por completo. De Thern a Beto, de Protti a Policano, embora Thern e o último dos camisas 10, Claudio Bellucci, tenham passado perto.


E o peso de Maradona é pra alguém que transcende o futebol para os napolitanos. Acabou sendo o de um super-herói, de um homem que é um deus. Pra muitos a vinda dele acabou sendo libertadora, afinal, foi ele quem cravou de vez o Napoli como grande dentro do território italiano e colocou o nome do clube, da cidade e da região no mundo.


Ao andar em Nápoles se percebe o quanto a cidade e a torcida do Napoli amam Maradona. Ambas amam Insigne também. Mas Diego é uma coisa transcende aos campeonatos e copas conquistadas, aos gols em Juve, Milan, Roma, Inter... 


Para muitos, Napoli é Maradona. Nenhum defendeu o Napoli e Nápoles como ele até hoje defende. O tamanho de Maradona pro futebol é imenso. Embora num momento em que o Napoli brigue de igual pra igual com os rivais do norte simplesmente jogando futebol, dar esse peso a Insigne só poderia comprometê-lo.


Além disso, manter o número atual serve como uma marca registrada para Insigne, afinal, o 24 pode ser uma marca pra ele, como o 17 é para Hamsik há anos.


Este pode ser apenas um número para alguns clubes. Mas para o tifoso do Napoli, não é uma simples coisa. É algo divino. Do homem que sempre está com o Napoli. E que certamente adora Insigne também, como o próprio Diego já demonstrou. 


Reprodução: Getty Images
Reprodução: Getty Images

Insigne camisa 10, uma cena que só deve se repetir na seleção (ainda que haja napolitanos querendo-o como camisa 10 do Napoli)