Mertens e Insigne: Napoli garante o presente, mas precisa ter o futuro nas mãos

Está tudo definido. Primeiro, no final de abril, foi definida a renovação de contrato de Insigne. Fala-se em um salário de 4,5 milhões de euros por temporada, contrato de cinco anos até 2022, o que já garantiria o melhor salário do elenco a um jogador candidato a ser o Totti do Napoli (palavras do próprio).


Depois, a de Mertens. Essa foi um pouco mais demorada, só se definiu nos últimos dias. O belga, que tem 30 anos de idade, assinou um contrato mais curto, até 2020. Um salário menor do que o de Insigne, de "apenas" 4 milhões por temporada. Mas há uma cláusula de por volta de 30 milhões de euros a partir de 2018.


Todos estes, somados ás renovações de Hamsik e Callejón no meio da temporada, já mantêm nas nossas mãos os contratos dos quatro artilheiros do time na temporada 2016-17 para as próximas temporadas do clube, que lutará por títulos e classificações.


Sem falar nas renovações de contrato de outros titulares, como a dupla de zaga, Albiol e Koulibaly, e com a renovação de contrato de Hysaj. Além disso, Reina está em fase de renovação (não, aquela história do jantar com o De Laurentiis não teve metade da repercussão que inventaram), e Ghoulam em negociações, estas as mais difíceis no momento.


É inegável o quanto é importante renovar com eles. Analisando apenas a Serie A, os dois tiveram estatísticas importantes na temporada. Insigne começou em má fase, marcada pelo choro após substituição sob vaias diante do Besiktas no San Paolo. Mas se acertou, jogou muita bola, e marcou 18 gols e deu 9 assistências. A média ofensiva era de 4 chutes/jogo na Serie A, segundo o WhoScored.


No caso de Mertens, a situação acaba sendo melhor ainda. Até porque ele não começou como titular absoluto. Ainda havia em vigor o revezamento com Insigne. Tudo até aquele maldito 8 de outubro da lesão de Milik em Polônia e Dinamarca. 


Em meio às adaptações da mudança, Mertens foi se firmando como falso nove. E de apenas os dois gols na estreia diante do Pescara, eles acabaram virando 28 gols e 9 assistências no final da temporada, com uma média de 4,2 chutes/jogo. Sem falar que o belga ainda foi o artilheiro do Napoli na Champions.


A renovação dos dois, além da renovação de outros caras, como os citados Koulibaly, Hamsik, Callejón, garante o presente do Napoli. Falta conseguir uma continuidade a manter todos. De Ghoulam ao doutor De Nicola, médico do Napoli, por exemplo. 


sampdoria.it
sampdoria.it

Schick, um dos nomes buscados pelo Napoli, Juventus, Inter e outras 367 equipes pelo mundo


Mas o Napoli precisa também garantir o seu futuro na janela de transferências. Alguém para disputar a posição com Reina no gol, um reserva para Hysaj, possivelmente um ou dois zagueiros e aproveitar as oportunidades do mercado.


A questão principal é agora alguém pra disputar posição com Insigne. Mas Mertens não faz essa função? Fazer todos sabem como faz, e muito bem. O x da questão agora é que, com a campanha nessa Serie A, definitivamente, Mertens passou de "falso nove" a um "verdadeiro nove". 


O que significa que temos de buscar alguém para revezamento. E surgem dois nomes que seriam importantes para essa função, embora talvez não fossem titulares de cara. Com a contratação de um deles, viria também a quase certeza de um bom futuro.


CURTA - Página do Blog Partenopeo no Facebook


SIGA - Página do Blog Partenopeo no Twitter


Primeiro, Keita Baldé. O senegalês fez uma ótima temporada na Lazio, foi importante nas vitórias nos Derbys e acumulou 16 gols e 3 assistências na temporada da Serie A. Não é tão generoso ofensivamente, mas o número de gols mostra que é um bom finalizador. Também é um ótimo driblador, um dos que mais sofreram faltas no campeonato. O que pesa contra ele é a irregularidade, além da fama de indisciplina. Além disso, não tem uma capacidade defensiva tão forte.


Depois, o croata Patrik Schick. Ele surgiu "do nada", entrando de titular numa opção polêmica do técnico doriano Marco Giampaolo, que resolveu colocar seus atacantes reservas logo diante da Juventus. O croata não decepcionou e fez gol na sua primeira como titular pela Sampdoria. 


Schick mostrou-se também um bom finalizador, adaptável às funções pelo lado e mais centralizado, chutando bem de longe; Um jogador que não desiste das jogadas, mas muitas vezes 'fominha'.


Só há um problema de fora quanto aos dois: a concorrência. Para Keita, se especulam batalhas do Napoli contra Atlético de Madrid, Juventus, Milan e a Inter; para Schick, a situação parece pior ainda, com as presenças de Borussia Dortmund, Roma, além de - olha eles aí de novo - Juventus, Inter e Milan. O jovem doriano é um dos mais disputados da janela. O presidente Ferrero diz que ele ficará na Samp para 2017-18.


Pode ser possível, já que se especula que os quatro italianos que querem o jogador poderiam emprestar o croata para a Samp. E em meio a um mercado de jogadores caros, o preço da cláusula de rescisão no contrato é bem acessível: 25 milhões de euros. Barato em tempos que se paga 45 em um (super) garoto de 16 anos que mal pisou no gramado entre os profissionais. 


O preço e a maneira como Schick apareceu são o que justifica a procura mais forte, principalmente da parte de Borussia Dortmund, Internazionale e Juventus, que nesse momento parecem estar á frente nessa corrida. 


E se o Napoli não conseguir nenhum dos dois? É preciso analisar bem o mercado. Afinal, não existe somente Keita e Schick, estes são apenas as principais opções dentro do mercado italiano e que não sofreriam problemas de adaptação à liga. E são "as meninas dos olhos" dos clubes. 


Os dois citados seriam o futuro ideal ao Napoli. Mas, independente disso, a direção precisa contratar um jogador jovem para disputar vaga com Insigne e, por que não, Mertens. Afinal, manter a equipe sempre rejuvenescida garante gás novo e o futuro do Napoli. 


Site oficial: SSC Napoli
Site oficial: SSC Napoli

Ter os contratos renovados destes dois, mais outros jogadores, é garantir o futuro do Napoli