A esperança de um Napoli que não tem mais nada a perder

As circunstâncias tornaram a despedida do San Paolo na temporada em um jogo no qual era proibido tropeçar. Ainda mais porque, pouco tempo antes, a Roma havia vencido o Chievo, numa partida de muitos erros defensivos das duas equipes, gol irregular romanista, e falsas ilusões do Chievo não só para os napolitanos, como para os juventinos que queriam o Scudetto já nesse sábado.


Mas esse Napoli ao longo da temporada mostrou uma diferença para outros da nossa fase recente: não ligar para qualquer resultado e fazer o seu jogo. Logo no começo já partiu pro ataque. E o primeiro tempo se apresentava com algumas coisas malucas.


Primeiro, o Napoli saiu na frente. Até aí, tudo nromal. Mas o gol surgiu de uma cobrança de escanteio, que Hamsik testou firme, Tatarusanu bateu roupa, e Koulibaly, como um atacante, estava lá pra completar e marcar o seu segundo gol na temporada. 


Os mais pessimistas lembraram que nas duas vezes que Koulibaly havia marcado, o Napoli não havia vencido. E o temor ficou maior quando Mertens recebeu sozinho, invadiu a área, driblou o goleiro e...... conseguiu chutar pra fora. 


Mas até os mais pessimistas criaram esperança quando, após uma cobrança de lateral, Mertens recebeu na entrada da área e acertou a trave. Quando uma cobrança de lateral dá em alguma coisa, só se pode pensar que virão coisas boas no jogo.


E no lance seguinte, lá estava um bolão pra Insigne fazer o segundo gol. Uma jogada típica do Napoli de Sarri, roubada de bola, Mertens recebendo sozinho, e deixando Lorenzo mais sozinho ainda. O 2 a 0 no primeiro tempo era tão merecido que a vitória era a única possibilidade. 


E logo o terceiro gol viria. Se esperava que fosse numa jogada trabalhada. Mas no futebol se diz que quando se trabalha, o adversário pode errar a seu favor. Como aconteceu no escanteio, que Tatarusanu errou o soco na frente de Mertens. E ali, ele é terrível. O 3 a 0 foi consequência. 


O futebol apresentado pelo Napoli foi tão bom que, por mais que a equipe de Paulo Sousa ameaçasse e fizesse Reina trabalhar muito bem, principalmente em chutes de fora da área, não conseguia criar muito, ao contrário das outras quatro vezes que os florentinos enfrentaram o Napoli de Sarri, em que pressionavam o tempo inteiro e faziam um jogo mais igual. 


Reina só não pôde fazer muito na jogada do gol de honra florentino, enquanto o Napoli comemorava o terceiro gol. Ao menos serviu para dar um chacoalhão na equipe. Mertens foi de novo Ronaldinho Gaúcho, de novo no drible, de novo "no passa pra um lado, olha pro outro". Hamsik aproveitou pra chutar. O goleiro pegou. Mas uma jogada dessa tinha que ser gol. E Mertens aproveitou pra fechar o jogo.


Outra performance de gala do Napoli. Que conseguiu o seu recorde de pontos, 83 pontos na temporada. 111 gols, mais que na temporada passada com Higuaín em estado de graça. Mas incrivelmente deve ficar em terceiro, pior que na temporada passada. Embora nessa temporada tenha ido "mais longe" na briga pelo título, entrando na 37ª rodada com chances, ainda que remotas. 


Enquanto há vida, há esperança para o Napoli. Mas tenhamos claro que é muito difícil, pra não dizer impossível, um tropeço da Roma diante do nosso irmão Genoa. Ainda mais com o Olimpico lotado e com todo o clamor pela despedida de Totti. Ah, se não fossem os pontos perdidos... 


O fato é que o Napoli não tem nada a perder. Já cumpriu o seu objetivo que era estar entre os três primeiros, em uma temporada que se apresentou conturbada em alguns momentos e que teve problemas, mas, quando decolou, se tornou excelente e inesquecível dentro do possível. Todo o resto é consequência. 


CURTA - Página do Blog Partenopeo no Facebook


SIGA - Página do Blog Partenopeo no Twitter 



Reina - Fez grandes defesas durante toda a partida, em chutes de fora, ou mesmo de dentro da área. Boas sequências de lances, em uma de suas melhores partidas. Não pôde fazer muito no gol sofrido. Nota: 7,0


Hysaj - Foi muito bem na fase defensiva, exceto por alguns momentos de sofrimento, incluindo no que gerou o gol florentino. Na fase ofensiva, se arriscou por algumas poucas vezes apenas. Mas uma partida acima da média. Nota: 6,5


Albiol - Guiou a defesa com qualidade, ajudando a neutralizar Kalinic, que participou quase nada do jogo. No fim do primeiro tempo, ainda ajudou Jorginho na função de regista, no auxílio para que o ítalo-brasileiro fosse "desafogado" na função. Nota: 6,5


Koulibaly - Perfeito defensivamente, com boa antecipação em todas as jogadas, por vezes esteve ofensivamente também no ataque, e em uma dessas, foi quem abriu o placar para o Napoli. Nota: 7,0


Ghoulam - Esteve bem tanto na fase defensiva quanto na fase ofensiva. Teve alguns apuros, mas aos poucos foi corrigindo-os. Esperamos que essa não seja sua última partida no San Paolo. Nota: 6,5


Zielinski - Uma partida de grande personalidade, muito bem na fase defensiva, e no jogo de marcação. Através de uma de suas roubadas de bola, criou o lance do segundo gol. No segundo tempo, participou bem mais do ataque. Um belo presente de aniversário para ele, aniversariante do dia. Nota: 7,0


Jorginho - No começo parecia mais isolado, mais aos poucos, ele que cadenciava mais o jogo, sempre presente, e nesse sábado melhor ainda defensivamente nas roubadas de bola e interceptações, além de boa precisão nos passes. Nota: 6,5


Hamsik - Finalizou um pouco menos em relação ao normal, mas em duas finalizações suas, saíram dois gols nos rebotes. Nos passes, alternou momentos de alta com momentos de baixa, mas uma boa atuação. Nota: 6,5


Insigne - Quando está inspirado, é difícil de bater. Tem um drible curto espetacular, que sempre que puxa pro lado, parece deixar tontos os zagueiros. Embora não tenha feito muito com essas jogadas, marcou seu gol em uma jogada de boa colocação, outra característica dele. Nota: 7,5


Mertens - Parecia não ser a sua noite quando errou um gol fácil e quase fez um golaço tocando na trave. Mas fez um segundo tempo de gala, alternando entre o gol oportunista, e o gol da magia, com os dois gols napolitanos do segundo tempo. Nota: 8,0


Callejón - Foi inteligente durante a partida inteira, sempre criando espaços. Exceto quando perdeu alguns gols no final, quando já estava 4-1 para nós, por puro preciosismo de quem quis enfeitar demais. Nota: 6,5


Rog - Teve uma boa partida fazendo a função de Hamsik, sempre se apresentando bem dentro da área por várias vezes, embora ignorado em algumas delas. Nota: 6,0


Diawara - Entrou nos minutos finais para retomar a confiança e o ritmo de jogo após algumas partidas no banco. Foi bem quando acionado com os passes. Nota: 6,0


Pavoletti - Entrou nos minutos finais com gana e com vontade de fazer seu gol. Até quando teve chance e não alcançou os companheiros e a torcida aplaudia. Nota: 6,0


Sarri - Fez a equipe jogar mais uma vez sem a pressão dos outros resultados. E não simplesmente jogando. Dando show em vários momentos. 3º lugar é um bom resultado para essa equipe, mas é pouco pelo que o time apresenta de bom. Azar do Napoli. Substituições bem inteligentes do mister na partida. Mas a sua equipe sob a sua batuta nos faz por várias vezes não dizer nada. Apenas aplaudir. Foi o caso da partida deste sábado. Nota: 8,0


Site oficial: SSC Napoli
Site oficial: SSC Napoli

Koulibaly comemorando um gol seu. A gente não vê isso todo dia...