Milan: demitir Montella agora seria um tiro no pé

Deixemos, por enquanto, a derrota para a Roma de lado por um segundo, tudo bem? Claro, foi um resultado que ninguém gostaria de ver, principalmente em pleno San Siro. Contudo, estamos falando de uma derrota para um dos melhores times do campeonato italiano nos últimos 6 anos. Novamente, o Milan foi vítima de falhas individuais em um contexto que todos nós concordávamos: até os 65 minutos de partida, era um jogo que a vitória parecia ser possível. Daí, Dzeko acontenceu.



Vocês não querem falar da derrota. Vocês não querem falar da boa atuação do time, que segurou a Roma e teve diversas oportunidades de gol até a metade do segundo tempo. Vocês não querem falar sobre a impressionante ótima atuação de Fabio Borini na ala direita e de como André Silva está finalmente mostrando que pode ser importante também na Serie A, ou mesmo sobre a péssima fase que vive Bonucci atualmente. A maioria dos milanistas que falar e ver sobre decaptação de Vincenzo cabelinho Montella. Então, ao povo o que é do povo.


Montella tem problemas como técnico, e isso é notório. Não são problemas inovadores, entretanto. Sua mania de não fazer substituições antes dos 75 minutos de partida a menos que seja por motivos médicos já cansamos de ver com Arsene Wenger. A falta daquela centelha de ódio nos olhares dos jogadores quando a situação fica feia também é velha conhecida nossa dos tempos de Allegri e do final da era Ancelotti.

Não há defesa para o fato dele ter deixado Hakan em campo até o turco ser expulso quando o novo #10 rossonero simplesmente não havia entrado em sintonia com a partida e seus companheiros desde o apito inicial. Não há motivos racionais para Vincenzinho deixar Bonaventura e Suso no banco de reservas quando o time não consegue parar a bola e pensar no que fazer com um pouco mais de inteligência quando tem o domínio da partida, como aconteceu ontem. Só que


Getty Images
Getty Images

Se ajudem a sair do buraco, minha gente


Esse é o momento em que você para de ler o texto e vai me ofender ali nos comentários.


.


.


.



Ainda aqui? Que bom, então leia com atenção.


Como torcedor, é óbvio que gostaria que Carlo Ancelotti voltasse. Ele é um dos nomes mais vitoriosos na história do Milan e tem na bagagem mais títulos internacionais do que muitos times do lado azul de Milão. Contudo, ainda não é hora dele voltar, e me dói demais afirmar isso. Não podemos ceder ao primeiro impulso de demitir Montella por causa dos maus resultados recentes. Acredito que todo milanista deve um pouco de gratidão ao técnico campano pelo que foi feito na temporada passada e, mais do que isso, vocês precisam lembrar que ele está montando um time inteiro do zero, incluindo aí uma mudança de sistema de jogo. Olhem para seu melhor momento na temporada passada e vejam o time escalado ontem para você ter uma noção do tamanho da mudança a ser feita. Isso leva tempo, tentativa e erro. E ainda fica mais difiícil quando alguns de seus principais jogadores estão em má fase (Bonucci e Hakan), ou não se adaptaram bem ao novo esquema (Romagnoli, Suso e Bonaventura).


Getty Images
Getty Images

Nenhum dos quatro estão rendendo o esperado


Contudo, isso não significa que ele não deve ser cobrado, e não só pelos torcedores. Acredito que é o momento de Fassone e Mirabelli começarem a cobrar com mais dureza os resultados, mas sem a ameaça de demissão, pelo menos até o final da temporada. O time precisa voltar à Champions League por causa do balanço financeiro, isso já foi dito e repetido á exaustão durante da pré-temporada e, a partir desse momento, o mês mais complicado da temporada, a Diretoria tem que mostrar firmeza na cobrança, contudo indicando apoio ao técnico.


Quando chegarmos em maio, aí sim será o momento de avaliar o trabalho de Montella com todas as críticas, ressalvas e elogios guardados até aquele momento e ver se mantemos ele ou damos aquela ligadinha para Don Ancelotti ou Antonio Conte.


Até lá, tenham paciência. Um time não se constrói em poucas rodadas e um técnico não evolui tão rapidamente.