Milan precisa manter Deulofeu para a próxima temporada

No começo tínhamos um capitão, narigudo, simpático, italiano, vindo de uma cidadezinha minúscula e com qualidade suficiente para segurar no braço o arreio de 9 comedores de grama e colocar o capeta onde ele precisava estar na tabela. Só que o capitão se lesionou e ficamos órfãos de cérebro por umas duas partidas, e então a solução surgiu, entoada naquele glorioso cântico:


IH, F*DEU, DEULOFEU APARECEU!


Desde sua estreia na equipe, na fatídica derrota para a Juventus na Coppa Italia, Gerard Deulofeu mostrou que poderia levar o Milan ao ataque com um pouco mais de objetividade e verticalidade do que Bonaventura e Suso, ambos muito técnicos, só que muito mais criadores de jogada do que finalizadores. O espanhol estava desacreditado no Everton - comandado por Ronald Koeman -, principalmente depois de ter visto o mundo tê-lo comparado a Lionel Messi e o largado de mão quando ele não correspondeu à tanta expectativa. Sem chances de jogar e precisando mostrar que não era nenhuma água de salsicha, Deulofeu topou vir por empréstimo ao Milan.


Com vaga garantida no time titular, um técnico que prima pela velocidade na transição entre defesa e ataque e reencontrando um companheiro da época de seleção de base da Espanha, Gerard encontrou o ambiente perfeito para retomar seu bom futebol, mostrar serviço tanto para os torcedores quanto para o técnico da seleção espanhola, Julen Lopetegui, que o premiou com uma convocação para um amistoso contra a França. E o resto vocês já sabem, vai.


Getty Images
Getty Images

Fica, vai ter dinheiro sobrando... eu acho


O grande problema é justamente essa subida de produção do camisa 7 rossonero, que chamou a atenção de muitos clubes, inclusive do maldito do Barcelona. Os culès, de acordo com a imprensa, quando rolou a transferência de Deulofeu para o Everton, teriam garantido a preferência na recontratação do atleta por um valor estimado em 12 milhões de Euros. A imprensa espanhola, que não é das mais confiáveis, já garante que o clube blaugrana irá exercer essa preferência e o técnico que assumir o comando depois de Luis Enrique decidirá entre manter o atleta no plantel ou colocar ele no mercado novamente.


Aí que mora o problema para o Milan. Se fosse em CNTP (Condições Normais de Temperatura e Pressão), a negociação seria entre Adriano Galliani e Ariedo Braida, que trabalhou no Milan por duas décadas. Assim, teríamos velhos amigos discutindo sobre um bom jogador e talvez rolasse até aquele empréstimo com obrigação de contratação definitiva ao final. Contudo, com a possível venda do Milan, o cenário muda e com toda certeza do mundo o Barcelona vai querer ver o tamanho do caminhão de dinheiro estacionado em frente ao Camp Nou para liberar os serviços futeboléricos de Deulofeu.


Sejam velhos ou novos donos, o Milan precisará trabalhar muito bem e com muita esperteza no próximo calciomercato se quiser manter suas estrelas treinando em Milanello e, principalmente, criar uma equipe grande o suficiente para aguentar Serie A, Coppa Italia e Europa League. A vantagem é que Deulofeu, em todas as entrevistas que dá, faz questão de agradecer ao Milan e a Vincenzo Montella por terem acreditado nele, e a vontade do jogador conta muito. A não ser que o empresáro seja Mino Raiola.