Venda do Milan ganha mais um capítulo nebuloso

Estava eu tranquilamente enfrentando o calor infernal do Rio de Janeiro quando chega uma mensagem de Milorde Alcysio Canette, manda-chuvas-e-trovoadas do Arsenalismos, com um link, um simplório link para uma matéria do jornalista Jacopo Piotto sobre a novela da venda do Milan, que já dura anos. E logo após essa leitura, vi que novamente a Sino-Europe Sports pediu mais tempo para pagar a outra parcela de 100 milhões de Euros pelo novo adiamento do famoso closing, o fechamento das negociações. Depois de terminar de ler, aquela pulga atrás da orelha voltou a incomodar. 


A matéria, aliás, você pode ler clicando aqui.


Já há alguns textos eu venho fazer piada com uma possibilidade que parecia remota em agosto de 2016, quando essa saga Milan-SES começou. Afinal, haviam comunicados oficiais, notas de imprensa, fotos, nudes e o depósito de 100 milhões de Euros. Depois disso, em dezembro, tudo se repetiu, a venda foi adiada para março de 2017, e a possibilidade passou a fazer um pouquinho mais de sentido. Agora, com mais esse adiamento, fica impossível não acreditar nessa possibilidade.


Getty Images
Getty Images

Não seria nenhuma surpresa, já que estamos falando de Silvio Berlusconi


A falta de transparência nas "negociações", o anonimato dos principais financiadores da cordata cinesa, como eles chamam na Itália, a possível utilização de documentos falsos e toda essa palhaçada envolvendo o Milan têm um nome e um único responsável: Silvio Berlusconi. Todos nós sabemos muito bem que il cavaliere não é das pessoas mais ilibadas e corretas no mundo dos negócios e as diversas condenações de evasão de divisas e sonegações de impostos só confirmam que podemos ter em nossas mãos, envolvendo o clube que todos nós adoramos e torcemos, uma bela e inequívoca LAVAGEM DE DINHEIRO.


Leia também: Documentos 'Made in China' na venda do Milan?


A minha teoria de conspiração é de que Silvio Berlusconi está usando diversas empresas, intermediários, máquinas de lavar de todas as marcas e capacidade, para trazer de volta á Itália uma parte do dinheiro que ele conseguiu tirar do alcance do Poder Judiciário do belpaese. Assim, inventar que vai vender um dos mais importantes clubes de futebol do mundo para alguns misteriosos orientais dá exatamente a abertura que a Fininvest e ele precisam para trazer grandes quantias vindas de paraísos fiscais em contas fantasmas mantidas por laranjas. Depois de repatriarem boa parte dessa grana, se o negócio der errado ou for abortado, inteligentemente há a previsão contratual de que a Fininvest não precisa devolver o que recebeu, que são 200 milhões de Euros até o momento.


Sobre essa possibilidade, Giuseppe La Scala, presidente da associações dos acionistas minoritários do Milan, deu uma entrevista onde comentou exatamente a mesma coisa para o site Calcio e Finanza, que você pode ler (e ver o vídeo) nesse link.


É uma pena ver que o Milan virou simplesmente mais uma empresa de fachada de Berlusconi. Se essa grana que voltar será utilizada para reforçar o time, não se sabe; contudo, se isso acontecer, o Milan apenas se iguala a outros clubes europeus, principalmente ingleses, como os agora "GRANDES" Chelsea e Manchester City.


- Curtinhas - 


O sorteio das quartas de final da Champions League aconteceram, os confrontos são interessantes mas, só por provocação, deem uma olhada nessa questionamento feito no dia 8 desse mês:




Amanhã é dia de Milan! :) Na emissora errada :(