A classificação do United tem nome: Marcus Rashford

O time se esforçou para fracassar, mas a temporada continua nos dando oportunidades de terminar com alguns objetivos cumpridos. Depois do empate na ida, o United derrotou o Anderlecht dentro de Old Trafford e garantiu vaga na semifinal da Europa League. O cenário fica ainda mais favorável quando consideramos as outras três equipes classificadas: Ajax, Lyon e Celta de Vigo. Qualquer coisa além da taça é inaceitável para um clube que investe para brigar em todas as frentes. Seguimos positivos pelo triunfo e por termos um garoto tão bom - e decisivo - como Rashford.


ESPN.com.br | Ibra lesiona joelho, Manchester United bate Anderlecht na prorrogação e vai à semifinal


Mudanças pontuais foram feitas e a escalação agradou bastante, trazendo uma mistura de juventude e experiência. Levando em conta que a vitória sobre o Chelsea reviveu as possibilidades na liga nacional, faz sentido mesclar em alguns setores e descansar nomes como Herrera, por exemplo. Shaw voltou a ser titular, foi bem em vários fatores e ganhou mais um tapa nas costas para tentar renascer em Manchester. Que não seja do lado azul da cidade, que já demonstrou certo interesse. O lateral direito Appiah foi um dos motorzinhos na semana passada e hoje pouco conseguiu fazer, completamente anulado.



A dupla de zaga foi desfeita aos 23 minutos, mas ainda corrobora aquilo que foi falado nos últimos textos, representando um entrosamento até inesperado. O primeiro lance mostrou isso, quando uma típica saída agressiva de Bailly deu espaço para atacarem - Rojo, porém, estava na cobertura pra bloquear o cruzamento. O argentino, não sendo escalado como LE, tem ótimo desempenho; assim como, em fases distintas, Jones teve. Marcos se machucou e deu lugar para Blind, falho 'apenas' no gol deles. É seguro dizer que Mourinho sabe montar defesas, né? Temos, inclusive, o terceiro conjunto menos vazado de todo o continente. Então é questão de alinhar as coisas adiante.



Curta o Old Trafford Brasil no Facebook



Nessa tarde, especificamente, tivemos um delay no encaixe devido à blitz inicial aplicada pelo adversário. Eram cinco ou seis peças no nosso campo pra fazer o counterpressing, causando certo choque por parte de Carrick, principalmente. Pogba, porém, tratou de tirar um coelho da cartola e possibilitar uma virada no panorama. Fugiu da marcação, deu um lançamento brilhante pra Rashford e depois assistiu Mkhitaryan abrir o placar. Cinco gols nas últimas 6 partidas de UEL para o armênio, que certamente explodirá em 17/18. É muita qualidade envolvida. O camisa 22, então, passou a dar sua contribuição completa como um misto de '8', '10' e '7', digamos assim.


Getty Images
Getty Images

Na UEL, vimos todo o futebol que Mkhi pode apresentar; fica a ótima expectativa para 17/18


Acelerava, criava e driblava com a mesma eficiência, partindo de uma posição centralizada. O entendimento dos garotos da base nos flancos, claro, ajudava. Lingard é um mestre na movimentação (o apreço de Van Gaal e Jose pelo mesmo não é à toa) e Marcus, apesar de sempre dar um gás com verticalidade, soube coordenar suas ações de acordo com os companheiros. Nunca os dois ficavam muito abertos - algo essencial quando a estrutura é a de um double-pivote sem interiores, que povoam o meio num 433 mas são mais espalhados no 4231. Quem destoava, estranhamente, era um dos pilares do plantel.


Valencia vinha se mostrando bem disciplinado, mas pegou toda a carga que Shaw se livrou do outro lado e foi engolido pela dobradinha Acheampong/Obradovic. Nesse sentido, Jesse deixou a desejar e não foi o auxiliar defensivo costumeiro. A ausência de Ander também entra na equação. Outro jogador que decepcionou foi Ibra, mas não surpreendeu tanto. O rendimento vem caindo e víamos um matchup perfeito para ter Rashford como centroavante. Os belgas estavam dispostos com linhas relativamente altas e seria melhor se tivéssemos a opção das bolas nas costas da zaga.



Domingo, às 10h15, com transmissão dos canais ESPN: Burnley x United, no Turf Moor, pela 34ª rodada da Premier League.



O desespero bateu na segunda etapa e passamos a apelar para cruzamentos, lances forçados e… Fellaini. De novo ele, se bem que o mesmo escorou perfeitamente para Zlatan desperdiçar na pequena área. Esperamos mais do cara que faz questão em dizer que é "maior que o próprio torneio". Só vai ser realidade na MLS, amigo. E Rash está ali fazendo por merecer a titularidade absoluta e provavelmente na referência. Quando o sueco saiu, lesionado, melhoramos. Simbolicamente, Martial veio pra ser o ponta esquerda na prorrogação e o desejo da troca no centro foi atendido. Resultado? Game winner do menino de ouro.


Getty Images
Getty Images

Ibra saiu lesionado e o negócio parece ser sério; seu possível sucessor aproveitou para confirmar as credenciais na mesma partida


Rashford chamou a responsabilidade desde o começo, viu a grande estrela do elenco sair, tomou conta do recado e nos colocou na próxima fase. Mais do que isso, se solidifica pra 2017/18. Alguém se incomodaria com um atleta em declínio saindo e um futuro world-class subindo de vez? De qualquer forma, é hora de comemorar.