Mais um fracasso para a coleção de Mourinho

O clima tá estranho, ruídos e mais ruídos surgem em Old Trafford e concordamos que as coisas precisam mesmo melhorar. A próxima pré-temporada será bem importante e Mourinho precisa decidir o que fazer com o elenco. Enquanto isso, parece que não conseguiremos nem dar um jeito de manter as chances vivas.

Depois de fracassar contra o West Brom, o United empatou com o Everton dentro de casa e amanhã poderá ficar a sete pontos do top four, dependendo de Chelsea vs. City. Vendo por um lado positivo, pode ser quatro a menos e um jogo em mãos pra encostar - e tentar superar no derby. Mas não tem como se empolgar com isso, vale mais como informação do que razão. Como botar fé em um time que venceu 6 de 16 jogos em seus domínios?


ESPN.com.br | Ibra faz gol de pênalti nos acréscimos e salva United contra o Everton


Ashley Young continua sua trajetória de tapa buraco e desbancando talentos do plantel (Di Maria, Memphis, agora provavelmente Shaw) e assumiu a direita na ausência de Valencia. Blind voltou pra esquerda, Herrera e Ibra retornaram de suspensão e Lingard-Rashford representaram a base nas pontas. Tínhamos muita qualidade no banco de reservas e nem tanto em campo, mas o suficiente pra bater um também desfalcado adversário. Ronald Koeman não contou com Coleman, Funes Mori, Besic, McCarthy, Schneiderlin e Bolasie. Ou seja: lesões e estado físico não servem de desculpa hoje.



E a responsabilidade era totalmente nossa. Bastaram 4 minutos pro diferencial Zlatan ser notado, com o sueco se desvinculando de Jagielka e perdendo uma chance clara. Natural, claro, já que virou rotina esse tipo de situação de erro básico cara a cara; mas não podemos negar que se trata do principal jogador e uma peça que costuma nos colocar em cenários favoráveis - independente do momento. Marcado por dois zagueiros relativamente lentos, o supracitado inglês e Ashley Willians, o camisa 9 já dava sinais do que faria na referência.


Com Marcus e Rashford flutuando nas pontas/halfspace, Baines e Holgate teriam que ficar atentos demais na cobertura. Sendo assim, cediam espaço e tempo para o artifício padrão na articulação: triangulações no costado, com a participação frequente dos laterais e o "comando" dos interiores. Mas o esporte não segue roteiros e os Toffees, acuados no gramado, encontraram um gol na primeira chegada. Em escanteio após chute de Mirallas, os defensores mostraram entrosamento no ataque e De Gea foi surpreendido.



Curta o Old Trafford Brasil no Facebook 



Um empecilho a mais para uma equipe que já não vem das fases mais empolgantes e tem baixa confiança. Precisaríamos de paciência, tranquilidade com a bola e um upgrade vindo dos líderes do grupo. Blind era um dos mais acionados, mas foi substituído por Pogba. Com o francês na criação, a pressão dobrou e as investidas cresceram. Ainda faltava talento e Jose trocou Carrick e Young por Mkhitaryan e ele, Luke Shaw. O garoto foi o tema das últimas discussões, sendo publicamente criticado pelo treinador e tendo que se provar. De novo.


Getty Images
Getty Images

Que não falem em demissão, mas toquem na ferida: a evolução precisa aparecer pelo menos em desempenho


Teve bola na rede que não valeu por impedimento, o travessão típico de Labile (são 11 nessa campanha) e até Fellaini finalizando algumas vezes com perigo. Esforço sobrou, vontade não podemos questionar, mas é vergonhoso o panorama que conseguem se colocar. Segunda etapa é sempre assim, se tornou natural e previsível. Cruzamentos forçados, a árvore belga trombando tudo o que tem vida dentro da área e uma mistura de ânimo momentâneo e frustração constante. Olhando por esse ponto, é o que ocorre desde Moyes.


É bem verdade que, no geral, somos superiores e os goleiros costumam virar craques em OT. Mas eficiência é uma das funções do comando técnico e o retorno não veio. São diversos pontos de interrogação, que trataremos em outras pautas. Fica o constrangimento por um time que não convence em processo e resultado. Ah, teve um gol que mudou o placar aos 49 minutos - Ibrahimovic, de pênalti. Nada que evite a desesperança construída pelo clube.