City goleia, se garante na UCL e rebaixa QPR

Hoje não teve surpresa. Não teve desespero nem gol no último minuto. Não teve troféu também, mas teve goleada. O City foi muito superior ao QPR do primeiro ao último minuto da partida e fez com que isso se refletisse no placar: um inapelável 6 a 0 que garantiu o City na Champions e os R's na Championship na próxima temporada.


ESPN.com.br | Agüero bate recorde histórico, City garante Champions com goleada e rebaixa QPR


Para a partida de hoje, Pellegrini promoveu algumas mudanças no time titular ao deixar Kompany e Touré no banco de reservas, escalando Mangala e Fernando em seus respectivos lugares.


Ainda que Touré esteja por fazer aquelas que provavelmente são suas partidas de despedida do City, o marfinense ainda é considerado titular. Então, hoje, talvez só tenha ficado no banco por opção do treinador. Além de que, dada a fragilidade do adversário, Pellegrini podia se dar ao luxo de fazer algumas experiências.


Já Kompany começa a ter sua condição no time titular questionada por imprensa e torcida, pois não foi exatamente a primeira vez que o camisa 4 foi preterido na escalação. Muito também por conta de diversas atuações abaixo da média e por conta de alguns problemas de comportamento e disciplina ao longo da temporada.


Para efeitos de comparação e levando em conta apenas a frieza dos números, o maior percentual de vitórias do City nesta temporada é quando Kompany não joga. De acordo com os números levantados pelo @City_Watch, sem considerar a partida de hoje, o City tem um aproveitamento de 72,7% quando a dupla de zaga é formada por Demichelis e Mangala. Quando Kompany faz dupla com o zagueiro francês, o City venceu em 70% de seus jogos. Por fim, quando o time atua com Kompany e Demichelis, dupla titular na campanha do título da temporada passada, o aproveitamento cai drasticamente para míseros 38,5%.


Bem, hoje com Demichelis e Mangala o desempenho da defesa foi mantido com mais um clean sheet. Mas há de se considerar que o QPR mal ameaçou o City e quando o fez, Hart garantiu que o time não sofresse nenhum gol com a segurança de sempre.


Quanto ao ataque, se havia alguma dúvida de que tínhamos o melhor da competição, hoje não há mais discussão sobre isso. Com os seis gols marcados contra o QPR, o City chegou aos 77 na competição e parece improvável que seja alcançado pelo Chelsea nos dois jogos restantes.


Agüero, como é de costume, foi não menos que espetacular. O que vimos de Kun hoje foi uma verdadeira aula de como deve se portar um matador. Alguém que está na hora certa e no lugar certo. Alguém que chama a responsabilidade na hora que precisa e tem a tranquilidade necessária na hora de finalizar. É claro que tendo um passador como David Silva também ajuda muito.


Nem mesmo Sturridge, atacante do Liverpool e criado nas categorias de base do City, conseguiu esconder sua admiração pelo nosso playmaker.







Porém, conforme observei no último post, Silva tem sido muito mais artilheiro do que garçom, tendo chegado hoje ao seu 12º gol e sua sétima assistência, ao passo que Navas (!!!) tem oito contribuições. Aliás, a prova de que Silva tem chegado com muito mais consistência de finalizador ao ataque, é que na atual temporada ele já tem mais gols do que nas duas últimas somadas.


No mais, é como tenho dito recentemente: não foi uma temporada dos sonhos para o City, mas ao menos no final o time conseguiu se encaixar na medida do possível e vem cumprindo com sua obrigação de vencer seus jogos contra adversários de menor qualidade técnica.


Getty
Getty

Se David Silva é o sonho de qualquer atacante, sorte de Agüero, que chegou hoje ao seu 25º na Premier League


Com a vitória de hoje, o time chegou a 73 pontos na tabela e não pode mais ser alcançado pelo Liverpool, garantindo assim seu lugar na próxima UEFA Champions League. Para garantir a vaga direta, ou seja, um lugar entre os três primeiros, o time também só depende das próprias forças, precisando de apenas um empate nos próximos dois jogos, uma vez que o United não poderá ter mais do que 74 pontos se vencer seus dois próximos compromissos e, ainda assim, o time de Louis van Gaal ficaria para trás no primeiro critério de desempate que é o saldo de gols.


Por outro lado, o Queens Park Rangers, time com um lugar bastante especial na história do City, mas não tivesse sido pelo gol de Agüero, teria protagonizado o que seria uma das maiores catástrofes da história do time, voltou para a Championship após uma temporada no top-flight do futebol inglês. Mas como o QPR tem sido aquele time "iô-iô", que cai e volta todo ano, é bem provável esta partida de hoje seja apenas um "até logo".


Em tempo: na próxima quarta-feira, dia 13, quando serão completos três anos daquele incrível 3 a 2 contra este mesmo QPR, vai ter um post especial sobre o jogo aqui no blog.


Siga @javierfreitas