Ederson, a melhor contratação do City na temporada

Pode parecer um tanto quanto precipitado indicar este ou aquele jogador como a melhor contratação de um time em uma temporada que ainda nem chegou à metade. Normalmente seria, mas com a diferença que Ederson vem fazendo sob as traves no City e com a personalidade que ele fez sua estreia na Seleção Brasileira, logo se vê que não se trata de uma situação comum.


Como todos bem sabemos, o City sofreu muito na última temporada no que diz respeito ao gol e só foi ter alguma estabilidade quando o então reserva Caballero assumiu a vaga de titular.


No entanto, na atual temporada não há motivos para reclamar. Na verdade, com a boa fase da equipe em todas as competições, tem sido difícil achar qualquer razão para achar problema em qualquer posição. Mesmo com a lesão de Mendy e na falta de um lateral-esquerdo de ofício para substituí-lo, ainda assim Pep foi capaz de tirar o melhor de Fabian Delph ao improvisá-lo na posição.


De qualquer modo, se o gol era o maior problema do City há um ano, hoje passa ao largo disso. Com performances sólidas a cada rodada, Ederson se prova ser não apenas uma contratação acertada, mas definitivamente a melhor aquisição feita pelo City na última janela.


Na Premier League, já são quatro clean sheets e meio em sete rodadas disputadas, enquanto na Champions League são dois jogos sem sofrer gol. Importante frisar a informação dos quatro jogos e meio porque Ederson não chegou a terminar a partida contra o Liverpool após o violento choque contra Sadio Mané. Entretanto, vale registrar também que antes de sair da partida em questão, Ederson já havia realizado intervenções providenciais, mais notoriamente no lance cara a cara com Salah em que ele fez grande defesa.


Getty
Getty

Ederson mostrou personalidade em estreia pela Seleção


Mas não foi apenas no lance contra Mané que Ederson se mostrou absolutamente destemido, o que é uma das principais qualidades que se espera de um goleiro. Tal característica pôde ser vista em diversos momentos na atual temporada e, na partida desta última terça-feira (10) contra o Chile em sua estreia pela Seleção Brasileira, não foi diferente. Ainda que o adversário tenha oferecido muito pouco perigo à meta brasileira na maior parte do tempo, foi perfeitamente possível ver Ederson em ação em uma dessas jogadas onde ele se atira em direção à bola e ao atacante adversário para evitar um lance de maior perigo.


Esse tipo de jogada, somadas às boas saídas do gol nas bolas alçadas na área, são justamente os momentos que fazem com que um goleiro passe confiança não só à torcida, mas também à sua equipe.



Curta o Manchester Connection no Facebook



Mas, claro, não dá pra falar de Ederson sem falar de sua habilidade de passe e reposição de bola, além de sua capacidade de sair da área com segurança para interceptar os atacantes adversários.


Um goleiro que jogue bem com os pés é primordial para qualquer equipe que se proponha a ter a posse de bola. Numa equipe comandada por Guardiola, não haveria de ser diferente. Mas, também, é importante ver que o mesmo se aplica à Seleção, o que credencia Ederson a uma boa disputa com Alisson pela vaga no time titular.


A respeito disso, Tite, na coletiva após a vitória sobre o Chile, não só ressaltou a qualidade de Ederson em criar jogadas de ataque a partir da reposição de bola, mas bem como fez questão de dizer que a camisa 1 ainda não tem dono.



“Isso ainda não está fechado. Coloquei o Ederson hoje porque seria injusto colocá-lo na altitude [no jogo contra a Bolívia]. Eu poderia tirar uma conclusão errada. Houve jogadas ensaiadas do City, onde o Ederson joga a bola e ela vai direto para o [Gabriel] Jesus. A reposição dele tem que ser estudada. Meteu o Gabriel na cara do gol. (...) Talvez seja uma das posições onde o Brasil esteja melhor servido, mas ainda não está fechado”.



Os números de Ederson neste quesito só ajudam a reforçar os elogios de Tite. Pelo City, Ederson dá uma média de 21.4 passes por jogo na Premier League, enquanto na Champions League a média sobe, com 30 passes por jogo. E se engana quem imagina que com o maior número de passes no certame europeu, a taxa de erro é maior. Ao contrário. Na Champions, Ederson acertou 96,7% dos passes que deu, enquanto na PL seu percentual de acerto é de 82.7, segundo dados do site especializado WhoScored.


Pelo conjunto da obra, mesmo com a temporada ainda se iniciando, desde já parece seguro dizer que Ederson foi a melhor contratação que o City poderia ter feito para 2017/18 e, de quebra, parece ter encontrado o titular da posição por um bom tempo.


No gol, o único problema do City, como se viu não só na temporada passada mas também ontem no Allianz Parque, é que Ederson não tem um reserva à altura. Longe disso.


Siga @javierfreitas