City: Alexis Sánchez por Sterling? Não tão simples quanto parece

O mercado de transferências está se fechando e uma nova pauta tomou conta do noticiário na manhã desta terça-feira: uma possível troca entre Sterling e Alexis Sánchez por parte de City e Arsenal.


Nas primeiras horas do dia, a informação que se tinha era que o City estaria disposto a ceder Sterling e ainda dar uma espécie de “volta” ao Arsenal pelo atacante chileno. À primeira vista, há quem possa considerar um negócio tão bom que poderia ser feito de olhos fechados. Mas será mesmo?


Evidente que não. Claro que Alexis Sánchez é um excelente jogador e nos últimos anos tem sido um verdadeiro clarão de bom futebol na bagunça que é o time comandado por Arsène Wenger. Entretanto, há de se levar em consideração que Sánchez já atingiu o auge de sua carreira e está a alguns meses de completar 29 anos.


Ou seja, tudo o que tem para se ver de Alexis Sánchez já foi visto. É um jogador que, claro, agregaria muita qualidade a qualquer elenco, mas não tem mais para onde apresentar qualquer evolução. Considerando sua idade relativamente avançada, renderia no alto nível que se vê hoje por mais dois ou três anos.



Curta o Manchester Connection no Facebook



À medida que as notícias sobre esta negociação foram ganhando corpo, a história mudou totalmente de figura, com o Arsenal liberando Sánchez e ainda pagando uma compensação para ter Sterling na troca.


Que hoje Alexis Sánchez é muito mais jogador que Sterling, disso ninguém discorda. Entretanto, este segundo cenário faz muito mais sentido e, não obstante, parece muito mais compatível com a realidade da negociação.


Por quê? Simples: fosse pouco o fato de Sterling ainda ter apenas 22 anos, ele claramente é um jogador melhor que aquele que foi adquirido junto ao Liverpool em 2015. Raheem ainda peca muito em tomadas de decisão e poderia melhorar muito no que diz respeito às finalizações, mas, por outro lado, ele ainda tem muito tempo para apresentar tal evolução e, não fosse o bastante, ainda há de se levar em conta a questão da homegrown quota – importantíssima para qualquer time na Premier League atualmente.


Tanto City quanto Arsenal têm consciência disso que a inclusão de Sterling no negócio foi uma sugestão do time de Londres. O City, por outro lado, e com razão, prefere uma aquisição apenas com dinheiro, sem ter que se desfazer de qualquer peça do elenco – até mesmo porque, sabe que Sterling é importante para o time hoje e pode continuar sendo por muito tempo ainda.


Na compra simples com dinheiro, o City deve ter em mente três pontos fundamentais nesta transação:



1) Alexis Sánchez quer deixar o Arsenal
2) É um atleta no último ano de seu contrato
3) Trata-se de um jogador que está beirando os 30 anos



Deste modo, mesmo que Alexis seja um jogador brilhante como é e, mesmo num mercado inflacionado como o que estamos vendo hoje, o Arsenal não está em condições de pedir um verdadeiro caminhão de dinheiro pelo chileno.


No caso do envolvimento de Sterling no negócio, há de se considerar em quanto exatamente Raheem está sendo avaliado, já que em 2015 o City pagou 45 milhões de libras, com mais 4 milhões adicionais por metas alcançadas, os famosos add ons.


Getty
Getty

Melhor saída? Alexis trocando o vermelho pelo azul. E só


Como já foi dito no começo do texto, Sterling é hoje um jogador melhor que aquele adquirido em 2015 e, considerando ainda os valores que têm sido pagos no mercado de transferências, especialmente por jogadores ingleses, considera-se, então, que Sterling estaria valendo hoje algo em torno de 65 a 70 milhões de libras.


Sterling não tem qualidade para valer tudo isso? Reclame com o mercado, porque hoje ele vale.


Siga @javierfreitas