United 2-0 City: o resultado é o de menos

No primeiro Manchester Derby da história disputado fora da Inglaterra, quem se deu melhor foi o United, que venceu por 2 a 0 com gols de Lukaku e Rashford. No entanto, o resultado negativo logo no primeiro jogo da pré-temporada não deve ser levado tão a sério quanto o tamanho do jogo ou mesmo o placar podem sugerir aos mais desavisados.


ESPN.com.br | Em estreia de Ederson e Walker, Lukaku marca e o United vence o City


É até bem verdade que o ritmo apresentado pelas duas equipes no começo do jogo estava um pouco acima do que normalmente se vê em amistosos desse tipo. Enquanto o City mantinha a maior posse de bola e tentava criar um lance de perigo aqui e outro ali, o United jogava no erro e subia com força nos contra-ataques, além de tentar bastante de fora da área.


Fazendo suas estreias, Ederson e Walker deram uma boa primeira impressão. O novo goleiro do City fez boas intervenções nos primeiros chutes que vieram à meta. Contudo, no primeiro gol do United ele pode ter sua parcela de culpa no lance ao não conseguir dividir com Lukaku. Entretanto, vale destacar também que no lançamento que originou a jogada, a defesa do City se viu desprevenida e saiu atrasada na busca do atacante belga e, naturalmente, o goleiro não tinha outra opção ali a não ser sair para tentar anular o lance. Acontece.


Como atacou mais, o United fez Ederson trabalhar tanto no primeiro quanto no segundo tempo, com destaque para dois verdadeiros milagres operados pelo goleiro brasileiro em chute de Jones. Há de se considerar que o jogador do United estava impedido no lance, mas, mesmo assim.


E se o United se propôs a atacar mais do que o de costume, não foi possível ver Walker apoiando da maneira que esperávamos e víamos no Tottenham. Ainda assim, ele não deu vida fácil a Rashford, que só foi conseguir tirar alguma coisa do jogo quando trocou a ponta esquerda pela direita e foi jogar nas costas de Fernandinho, improvisado na lateral-esquerda. Até por conta disso, foi justamente aí onde saiu o segundo gol do United.



Curta o Manchester Connection no Facebook



Quanto ao aspecto físico, era claramente visível que o United estava num nível ligeiramente acima do City. Além de estar jogando com o time que devemos ver ao longo da temporada, salvo uma alteração ou outra no onze inicial, o time de Mourinho já havia feito duas partidas neste período de preparação, enquanto o City fez seu primeiro jogo justamente ontem.


Mas como o próprio título do texto sugere, o resultado é o que menos importa nestas partidas de pré-temporada. Aqui, o importante é ver como algumas experiências feitas pelo treinador se mostram válidas na prática, assim como serve para ver como anda a forma física deste ou daquele jogador e, ainda, promover entradas de jogadores que subiram das categorias de base.


Getty
Getty

Remember the name: Phil Foden


Neste aspecto, ninguém chamou mais a atenção ontem do que Kompany e Foden. Certamente deve ser a 50ª vez que digo isso aqui no blog, mas, não há outra alternativa a não ser chover no molhado: Kompany, quando em forma, ainda é um dos melhores zagueiros do mundo. A noção de tempo e posicionamento que o capitão tem para realizar interceptações é algo muito acima da média.


No que diz respeito ao meia inglês, desde já, a impressão que se tem é que trata-se de um jogador muito diferenciado. Longe de estar acanhado com a pressão de jogar contra o United, ainda que num amistoso, Foden chamou para si a responsabilidade de criar as jogadas ou até mesmo de finalizá-las e certamente foi o jogador mais acionado do City enquanto esteve em campo.


O City pode até ter muitíssimas opções de qualidade para o meio de campo neste momento, mas lembrem-se deste nome: Phil Foden.


Siga @javierfreitas