Qual é o time a ser batido pelo Lyon: Monaco ou PSG?

Com o encerramento da janela de transferências, todos os clubes da Europa têm os elencos devidamente fechados para a primeira metade da temporada 2017/2018. Com quatro rodadas de Ligue 1, o Lyon, na quarta colocação, já enxerga com nitidez os adversários a serem batidos.


Acima do Lyon, ainda há o rival histórico Saint Étienne na terceira colocação, valendo ressaltar que os alviverdes sempre brigam pelos primeiros cinco/seis postos da tabela. O St. Étienne frequentemente busca índice para a Europa League, mas pode atrapalhar os grandes nesta temporada, por não disputar nenhuma copa europeia.


A equipe alviverde, dez vezes campeã nacional, se dedicará apenas ao âmbito doméstico, na contramão de Lyon/Nice/Olympique Marselha (Europa League), além de Monaco/PSG (Champions League). 


No topo da tabela da Ligue 1, PSG e Monaco já estão estabelecidos nos respectivos dois primeiros postos com 12 pontos cada um (PSG à frente no saldo de gols, sofreu dois a menos que o Monaco) e 100% de aproveitamento.


Monaco


A equipe monagesca e atual campeã francesa perdeu peças importantes em relação à temporada 16/17. Saíram Bernardo Silva, Benjamin Mendy, Bakayoko e M’bappé. Por outro lado, o treinador Leonardo Jardim manteve o time-base competitivo, na medida do possível.


O maior reforço foi a permanência do meia Thomas Lemar, principal articulador ofensivo da equipe. Lemar está em crescimento também na seleção da França, representando concorrência dura para Dimitri Payet (Olympique Marselha). Atua do centro para a esquerda, tem bom passe longo e visão de jogo.


Getty
Getty

Lemar, que anotou 2 gols no França 4x0 Holanda pelas Eliminatórias, na última quinta-feira


Com 21 anos, Lemar é uma realidade, representando o meia de ligação que o Monaco buscava desde a saída de James Rodríguez em 2014. O meia francês (55 jogos, 14 gols, 17 assistências - temporada 16/17) é mais importante que Mbappé. Ao redor de Lemar, João Moutinho, Fabinho e Falcao adquiriram maior preponderância, sobretudo sem os citados que foram negociados.


O clube não fez loucuras na reposição de peças e preencheu lacunas em todos os setores. O jovem zagueiro Terence Kongolo (holandês, 23 anos, ex-Feyenoord) faz sombra à segura dupla Glik/Jemerson. Do meio-campo para frente, há apostas de diferentes naturezas.


Num primeiro aspecto tenta-se reabilitar a ex-promessa Jovetić (ex-Internazionale e Sevilla) e Ghezzal, desvalorizado no Lyon. Mais além, o Monaco adquiriu os jovens Tielemans (belga, 21 anos, ex-Anderlecht), Baldé (senegalês, 22 anos, ex-Lazio) e Adama Diakhaby (francês, 21 anos, ex-Rennes). A mentalidade que se vê no Lyon é também aplicada pelo Monaco, procurando atletas abaixo dos 23 anos, que possibilitem revendas futuras.


Getty
Getty

Lemar e o treinador português do Monaco, Leonardo Jardim


O elenco monagesco é equilibrado. Sua defesa é superior à do Lyon, que, por sua vez, não tem um similar a Lemar mais à frente. O Monaco busca disputas regulares na UCL, não sendo candidato ao título. Se um bom desempenho no mata-mata da UCL não esgarçar seu condicionamento físico, a briga pelo bicampeonato francês será uma realidade. A alta média de gols da última temporada (absurdos 159 gols marcados) segue efetiva, com os monagescos já elencando 14 gols em quatro rodadas da Ligue 1.


Por fim, o Monaco vendeu oito atletas, arrecadando 178 milhões de euros. Gastou pouco mais de 70 milhões de euros, adquirindo dez atletas - três deles sem custos.


PSG


Há uma festa enorme em torno do PSG, mas aqui no Les Bad Gones seguimos céticos em relação a elencos com excesso de peças ofensivas e pouca atenção de mercado em atletas para a defesa. O time lidera a Ligue 1, mas os 14 gols anotados em 4 rodadas é algo que o Monaco também fez, pagando muito menos.


Getty
Getty

Só Neymar basta?


Somados jogadores de ataque/meias atacantes, o plantel do PSG elenca nove jogadores ofensivos. Na contramão, Unai Emery tem a dispor apenas três zagueiros de área em condições de titularidade (Thiago Silva/Kimpembe/Marquinhos). O que perguntamos a você, caro leitor é: com um lesionado e outro suspenso, como Emery monta a defesa?


Num comparativo, o Lyon inicia a temporada com três zagueiros natos (Yanga-Mbiwa, Diakhaby, Marcelo) e um lateral esquerdo convertido à quarta zaga, durante a pré-temporada (Morel). O Monaco, por sua vez, tem no plantel quatro zagueiros especialistas: Jemerson, Glik, Raggi e Kongolo.


A maratona de jogos que engloba a disputa das copas europeias cobra seu preço. Comprar peças na próxima janela demandará mais gastos. No aspecto financeiro/administrativo, a UEFA já investiga a transferência de Neymar e Mbappé, que pode até representar lisura total.


Na hipótese de transação “ok” do brasileiro, o PSG ainda gasta mantendo atletas sem espaço (Lucas/Draxler/Ben Arfa) que atuam em posições similares entre si e em relação aos titulares (Neymar/Di María/Pastore). Emprestado pelo Monaco no deadline da janela, Mbappé com certeza será titular. Entretanto, se os gestores acharem necessária a contratação de um defensor world class no inverno, sua aquisição pode extrapolar os limites do fair play financeiro.


Getty
Getty

Draxler e Di María, que agora disputam posição


Outro detalhe que já ressaltamos é a ausência de volante marcador, como reposição para Thiago Motta. Jogadores de defesa, além de problemas físicos que podem acometer qualquer um, estão sujeitos a mais suspensões que os atletas de ataque. A saída de Matuidi (Juventus) se concretizou.


O mais próximo do perfil para eventual desfalque de Motta é Cristopher Nkunku. Mas, com apenas 19 anos, Nkunku daria conta num mata-mata de UCL? Em contraparte, no deadline do 31/8, o PSG procurava por um quarto goleiro (Pepe Reina/Napoli), que não veio.


Em cifras, dos quatro principais reforços adquiridos, o PSG pagou por dois (Neymar/Berchiche), gastando um total de 238 milhões de euros. Suas quatro principais negociações de saída (Aurier/Matuidi/Augustin/Sabaly) renderam 65 milhões de euros.


Não vou profetizar nada. Meu objetivo aqui é levar o leitor a refletir sobre o que se tem dito sobre o PSG. Por ora, a equipe está vencendo, a UCL ainda não começou e ainda não há suspensões, nem lesões acumuladas no departamento médico do clube.


Há muitos adversários tecnicamente frágeis na Ligue 1. Mas o PSG terá dificuldades contra equipes mais sólidas, dentro da França e na UCL. 


La balle de Lyou


- O Lyon se manteve na busca por um meio-campista até o fim da janela de transferências no último 31/8. “Medalhões” (Imbula, Krychowiak) foram esnobados e Tanguy Nbombélé, agora ex-Amiens, acabou adquirido. O volante de 20 anos custou 2 milhões de euros.


- Bruno Génésio afirmou que o último ato da janela seria trazer um atleta similar a Lucas Tousart, ou seja, um volante de contenção aliando característica fisica e capacidade de marcação. O presidente Jean-Michel Aulas havia dito que o sorteio dos adversários na Europa League foi aguardado, para então ocorrer a busca pelo jogador.


- No sentido oposto, com um meio-campista a mais no elenco, o espanhol Sergi Darder preferiu ser emprestado ao Espanyol de Barcelona. Darder havia declarado que buscava minutos em campo, dando a entender alguma ambição em ter espaço na Espanha que vai ao Mundial 2018.


- Ao fim da janela, o Lyon acumulou 118 milhões de euros em negociações de saída. Gastou apenas 50,5 milhões em contratações (oito atletas). Há dinheiro em caixa para boas oportunidades de negócio na janela de inverno. Com certeza teremos jogadores encostados e desvalorizados em janeiro, buscando saídas até pela possibilidade de estarem na Copa de 2018, ainda que o mercado de verão tenha sido maluco.


Coup d’oeil des bleus


- Líder absoluta no grupo A das Eliminatórias europeias, a França (16 pontos) receberá Luxemburgo em Toulouse neste domingo, às 15h30. Na vítoria por 4x0 sobre a Holanda na última quinta-feira, o lionês Nabil Fekir entrou apenas no decorrer da segunda etapa. Há chances de Didier Deschamps promover rodízio no elenco, uma vez que Luxemburgo é o lanterna do grupo. A ESPN Brasil transmite o confronto.


- Pelo lado holandês, o lionês Memphis Depay sequer entrou em campo contra a França. Na quarta colocação, a Holanda (10 pontos) precisa vencer a Bulgária. Com o mau desempenho de Sneijder e Quincy Promes, é possível que Memphis ganhe oportunidade do técnico Dick Advocaat.


- Siga o blogueiro Alexandre Kazuo no Twitter @Immortal_Kazuo