Lyon 3x1 Ajax: lioneses morreram na praia

E o objetivo era realmente inalcançável. Nesta quinta-feira, o Lyon recebeu o Ajax no Parc Olympique Lyonnais, pela partida de volta das semifinais da Europa League, e foi eliminado da competição continental. Os lioneses venceram a partida por 3x1, o que resultou num placar agregado de 5x4 para o Ajax.


Evidenciou-se o trabalho encampado pelo próprio presidente Jean-Michel Aulas, desde a semana passada, valendo-se de psicólogos para prepararem os atletas para obterem uma virada. Aulas mencionou um 3x0 revertendo um 4x1 imposto pelo belga Brugge, nas oitavas de final da Taça UEFA 2001/2002.


Mas o Brugge, um mero vice-campeão de Taça UEFA, não é o Ajax, detentor de cinco títulos europeus. E o Lyon, que não ia disputar uma partida de xadrez, perdeu para um adversário que jogou melhor futebol. O problema não era mental, e sim tático/defensivo.


O mesmo erro, o mesmo erro...


Aos 26 minutos, Amin Younes recebeu livre, no vão direito da defesa lionesa, passando para Kasper Dolberg avançar pelo setor e abrir o placar para o Ajax. Era o gol necessário para os holandeses assegurarem a vaga para a final.


Getty
Getty

Fekir (abaixo) desarmando van de Beek


No fim da primeira etapa, Lacazette fez dois gols em dois minutos e o argelino Rachid Ghezzal, que entrou no decorrer do segundo tempo, ironicamente fez o terceiro gol. Aberto pela direita, Ghezzal foi titular do Lyon durante o mata-mata da EL, nas vitórias contra o AZ (32-avos de final/volta), Roma (oitavas de final/ida) e Besiktas (quartas de final/ida).


Quando a equipe perde a bola, Ghezzal apresenta maior qualidade no trabalho de recomposição do que Maxwel Cornet, que surgiu novamente entre os titulares nesta quinta-feira. Este detalhe tem sido ressaltado insistentemente aqui no Les Bad Gones. Por que Bruno Génésio parou de priorizar Ghezzal, não temos a resposta.


Se Justin Kluivert tivesse feito o gol do Ajax driblando todos os marcadores no setor esquerdo ou se Davy Klaassen tivesse acertado um tiro indefensável a longa distância, a eliminação do Lyon teria sido injusta. Tomando mais um gol pelo setor direito da defesa, o revés foi mérito do adversário.


Fim de temporada


O sonho de obter uma vaga para a Champions League 2017/2018 acabou para o Lyon. Por outro lado, dada a situação na Ligue 1, onde a equipe é 4ª colocada com 63 pontos (cinco a frente do 5º colocado), o Lyon estará na fase de grupos da Europa League 2017/2018. Na liga francesa, 4º (vaga direta), 5º (playoff) e 6º (playoff) colocados obtêm vagas para a EL.


O planejamento para a próxima temporada necessitará de um zagueiro central com experiência em copas europeias, e que atue pelo lado direito. Isso além de um volante de marcação, também situado pelo lado direito. Não há indícios de que Bruno Génésio venha a sair.


O esquema de Génésio merece crédito pela ofensividade, compreendendo porém um sistema defensivo muito exposto. Lembrando que o Lyon adentrou a EL vindo como 3º colocado do grupo H da UCL. A equipe fez oito jogos no mata-mata da Liga. Venceu 5 jogos e perdeu 3. Anotou 23 gols e sofreu 13. A defesa requer atenção.


O Lyon volta a campo no domingo, visitando o Montpellier pela rodada 37 da Ligue 1.


Para ler a cobertura de Lyon 3x1 Ajax e ver os melhores momentos no site da ESPN, clique aqui!


Coup d’oeil des rivaux


- A final da Europa League acontecerá em 24 de maio, merecidamente entre os tradicionais Ajax e Manchester United.


- O último ciclo vitorioso do Ajax em 1995 iniciou-se em 1992, com o título da Taça UEFA 1991/1992. A equipe já comandada por Louis Van Gaal venceu o italiano Torino, em final que determinava jogos de ida e volta. A partida de ida foi 2x2 em Turim (Itália), e o Ajax levou o título com empate sem gols, em Amsterdã. Dado curioso: os dois gols do Torino foram anotados pelo brasileiro Casagrande.


- O Ajax de 1992 tinha Frank de Boer (21 anos), Dennis Bergkamp (22 anos), Brian Roy (22 anos) e Aron Winter (25 anos). O goleiro Edwin van der Sar (21 anos) era reserva. Bergkamp, Roy e Winter foram negociados antes da temporada 1994/1995, quando o time venceu a UCL. Mas o trabalho de formação revelou/projetou Seedorf, Davids, Kluivert, Reiziger e Overmars, a tempo de serem campeões em 1995 com de Boer e van der Sar.


- Siga o blogueiro Alexandre Kazuo no Twitter @Immortal_Kazuo