Somos o Lyon e representamos o futebol francês!

Quinze gols marcados em três partidas. Este é o retrospecto do Olympique Lyonnais no mata-mata da Europa League. O confronto de ida válido pelas oitavas de final contra a italiana Roma acabou em 4x2 na França. A equipe lionesa chegou a sofrer empate e virada, ainda na primeira etapa, mas soube reagir com perfeição. 


O técnico Bruno Génésio lidou de forma perspicaz com o plano de jogo defensivo, mesmo quado tudo parecia conduzir à perdição. Génésio apostou nos novatos Diakhaby e Mammana para o miolo de zaga, cada um com seus 21 anos. Isso com certeza visando a velocidade do giallorossi egípcio Mohamed Salah.


Por outro lado, trava-se de uma partida de Europa League e os jovens zagueiros poderiam sofrer algum déficit psicológico. Além de Salah, a Roma tem Dzeko, artilheiro vitorioso na Alemanha e Inglaterra, e o badalado Nainggolan, que, postado mais à frente, não jogou nada.


Diakhaby foi de herói a vilão lionês em 12 minutos, abrindo o placar ao aproveitar lance de bola parada aos 8 minutos, porém sofrendo o escorregão que resultou no gol de Salah, aos 20 minutos.


Efeito borboleta


Ainda que constasse a desvantagem no placar, o ataque lionês funcionava com permutas e triangulações, sobretudo as protagonizadas por Lacazette e Valbuena. Rafael Silva vinha bem no papel defensivo, até se lesionar e ser substituído pelo veterano Christophe Jallet (34 anos). O déficit psicológico estava sanado, num súbito efeito borboleta.


Jallet não é Lizarazu, mas é um lateral-direito vencedor, bi-campeão francês pelo PSG e atual vice-campeão europeu com a França. Sua presença restabeleceu a confiança do restante do time no sistema defensivo, e o gol de Tolisso aos 8 minutos do segundo tempo foi crucial para buscar a vitória. 


Getty
Getty

Jallet (à esquerda) marcando Nainggolan


Menos veloz que no passado, Jallet possibilitou a alteração do 4-2-3-1 inicial de Génésio para o 3-4-3, quando Fekir entrou no lugar de Mammana. A defesa passou a ter Diakhaby e Morel que, por sua vez, já estava defensivamente fixo na lateral-esquerda. Jallet e o questionado Gonalons se revezavam como terceiro homem de defesa.


Há de se perguntar se não era o caso de ter escalado Jallet como primeiro volante, no alinhamento inicial. Mas o tempo dos versáteis defensores brasileiros Edmílson e Cláudio Caçapa ficaram em meio às melhores lembranças do velho Gerland.


Com a defesa acertada, o gol de Fekir era previsível e o gol do artilheiro Lacazette, num belo tiro de longa distância, foi consagração e prêmio pela ousadia de Génésio. O técnico trocou um zagueiro por um atacante, na necessidade da vitória.


A partida de volta das oitavas de final acontecerá já na próxima quinta-feira, em Roma. O 4x2 obriga a Roma a buscar vitória por dois gols de diferença.


La balle de Lyou


- Desde que o PSG interrompeu a trajetória de Jallet no Parc des Princes em 2014, em alguns aspectos pela idade avançada, o time da capital vem tendo dificuldade para encontrar alguém de confiança na lateral-direita, com os van der Wiels e Auriers da vida.


- Não estamos de provocação, uma vez que Jallet se habituou ao estilo italiano de jogar com três defensores durante a gestão Carlo Ancelotti em Paris. No PSG bi-campeão francês (2012/2013-2013/2014) a defesa geralmente tinha Jallet, Thiago Silva e Alex, com Maxwell mais sobressalente na lateral-esquerda.


- Falando em PSG, o Les Bad Gones se solidariza com Ici c'est Paris! no que diz respeito à arbitragem, após a partida do PSG na Catalunha pela Champions League, na última quarta-feira. No jargão futebolístico brasileiro, para nós, “bateram a carteira do xeique” no Camp Nou.


- Temos todo respeito do mundo pelo Barcelona, onde ícones franceses como Blanc, Henry e Abidal foram campeões. Mas a torcida de um time investigado por corrupção, com craques respondendo processos como réus, não tem o direito de desdenhar dos petrodólares de ninguém.


- Por fim, agradecemos a receptividade dos torcedores e simpatizantes do Lyon nesta primeira semana de blog. Todas as sugestões estão sendo anotadas. Enalteceremos em breve heróis do heptacampeonato francês como Coupet, Malouda, Carew, Govou, Wiltord. E teremos muito sobre o craque Memphis Depay também. Aguardem!