Bentancur: a sensação europeia que era descartável no Boca

Há dois meses, Rodrigo Bentancur era o famoso “quem?”. A preferência do técnico Massimiliano Allegri em manter o uruguaio no elenco tem dado indicações positivas sobre um atleta promissor, que começa a encantar a Itália de uma forma que mal conseguiu durante o período como profissional do Boca Juniors. Apelidado de Bentancold pela torcida xeneize, o meio-campista tem mostrado competência e qualidade num momento em que os três principais atletas do setor viraram melhores amigos das lesões.



Curta o Gazzebra no Facebook.



A estreia dele como titular ante o Barcelona foi um péssimo cartão de visitas mesmo. Apesar da boa partida bianconera, a defesa de três gols sofridos cambaleou ao se defrontar com ataques corriqueiros dos catalães - e Bentancur estava entre aqueles que não conseguiram interrompê-los. Nas semanas seguintes, contudo, ele se mostrou diferente: Fiorentina, Olympiakos (substituindo Miralem Pjanic, machucado no aquecimento) e o primeiro tempo contra a Atalanta foram para aplaudir.


Getty Images
Getty Images

Bentancur é uma das gratas surpresas da Juventus neste início de temporada


O uruguaio foi taxado de “estilo demais” quando ainda estava na Argentina. Ele faz jus ao estereótipo: corpanzil esguio, cabeça erguida, habilidade e rapidez no primeiro passe. Pessoalmente, o estilo de jogo e o físico de Bentancur lembram os de Sergio Busquets. O amigo Allan Amarelo, do Republica de la Boca, escreveu que a transferência do médio para a Juve era uma boa para todo mundo. Tem sido mesmo - e com certa ajuda do próprio jogador.



“Rodrigo não é surpresa alguma para nós, que o vemos no treino todos os dias. Ele pode ser jovem, mas é muito inteligente e confiável dos pontos de vista técnico, tático e mental porque ele está acostumado a sofrer pressão apesar de vir de outra liga. Tudo o que ele faz com a bola parece que é simples. Isso significa que a Mãe Natureza o abençoou com algo especial” (Gianluigi Buffon, ao site da Juventus)



O comprometimento defensivo tem sido o carro-chefe das atuações do uruguaio. A proteção da bola foi algo que chamou a atenção dos jornais italianos. “Dar a bola a ele é como guardá-la no banco”, escreveu a Gazzetta dello Sport. Mesmo com a empolgação, Bentancur realmente sabe do riscado - e somadas as estatísticas, sofreu mais faltas que cometeu. A vontade de marcar é uma característica que foi bastante cobrada pelos xeneizes: em Buenos Aires, parecia somente mais um em campo, completamente desligado do serviço.


O passo seguinte na cadeia evolutiva individual é ampliar a capacidade no ataque. No Boca, marcou um gol e deu três assistências em 66 partidas. Nada muito diferente do que acontece nesta temporada, na qual nem chutou à meta. Essa melhora também esbarra nas próprias tendências de jogador e clube: Bentancur costuma começar, e não terminar as ações, e a Juventus se debruça em Pjanic, Alex Sandro e Paulo Dybala para os movimentos finais. (Em tempo: urge a necessidade das estatísticas mostrarem a “pré-assistência”. O fluxo dos passes é tão importante quanto o final.)



via GIPHY


A simples presença dele na equipe é um acaso motivado pelas ausências de Claudio Marchisio, Sami Khedira e Miralem Pjanic, uma vez que Allegri não costuma dar muitas chances (e sucessivas) aos novatos desta maneira. Só que o uruguaio tem feito por merecer, encantando torcedores e empolgando a mesma imprensa que critica sem dó e clama por novas contratações depois de um empate em Bérgamo. A mesma Gazzetta dello Sport disse que Bentancur “trata a posse da bola como se fosse água no deserto”, enquanto o Tuttosport jogou pouca pressão no moleque, pedindo para que os torcedores o chamassem de Mr. Champions League.


Oscar Tabarez, técnico do Uruguai, também ficou impressionado com as atuações recentes de Bentancur, selecionando-o para os jogos derradeiros das Eliminatórias e promovendo a estreia dele no time principal depois de se destacar no Mundial Sub-20, há cinco meses. A torcida juventina caiu no conto do vigário com Roberto Pereyra e Stefano Sturaro, mas parece que esse outro sul-americano tem as características necessárias para o sucesso.