Barça é um péssimo adversário para a Juve. E vice-versa

Gianluigi Buffon queria pular o Leicester nesta fase de quartas-de-final da Liga dos Campeões. Particularmente, eu ficaria grato se a Juventus enfrentasse os ingleses, bem como pegar os fregueses do Real Madrid, Monaco ou Borussia Dortmund. Encarar o Barcelona só não é pior que jogar contra o Bayern de Munique. Contudo, existe o contraponto: a Juve também é um péssimo adversário para os blaugranas. Isso, no fim das contas, é ótimo.



Curta o Gazzebra no Facebook. Siga Murillo Moret no Twitter.



Para a Juventus, claro, como pedido por Leonardo Bonucci e Paulo Dybala depois que a equipe conseguiu a classificação ante o Porto. O zagueiro falou que a Senhora “não teria falta de motivação depois da última vez”. Uma bem doída para metade do elenco que permanece no Piemonte após a fatídica final em Berlim.


Getty Images
Getty Images

A última vez


A decisão de dois anos atrás é engraçada porque foi a terceira derrota de uma equipe que ainda tinha a vantagem no histórico do confronto. Em competições europeias, o bianconero venceu quatro das nove partidas. Naquele jogo na Alemanha, o favoritismo era todo do Barça. Ali, o trabalho de Luis Enrique era irretocável. O elenco culé segue quase o mesmo, porém, o técnico que já anunciou que sai do clube ao término da temporada é questionado pela falta de ideias.


Esse é um fator que ajuda a Juve até certo ponto. Que equipe vai entrar em campo na partida de ida, na Itália? A omissa e medrosa que jogou em Paris e tomou um sacolejo do PSG? Ou a que apresentou ideias rejuvenescidas para aproveitar o melhor de Neymar, Lionel Messi e Luis Suárez?


ESPN.com.brGigantes se enfrentam nas quartas de final da Liga dos Campeões


De qualquer forma, a derrota na França - apesar da remontada incrível - mostrou que esse Barcelona tem fragilidades latentes. A Juventus, melhor defesa do campeonato, vai encarar o melhor ataque de uma forma totalmente diferente daquela em 2015. Atualmente, a Senhora tem um time mais bem definido e preparado para aproveitar as muitas chances que os espanhois cedem.


Com uma linha de quatro defensores, vejo esta Juventus em melhores condições de parar o trio catalão. Igualmente, o time de Massimiliano Allegri não vai se condicionar a buscar somente um jogador no ataque - como era em Carlos Tévez, em fase abençoada. Juan Cuadrado em Jordi Alba e Paulo Dybala atacando freneticamente a dupla de zaga têm reais chances de sucesso, contudo, o confronto pode ser decidido com as atuações dos laterais.


Uma história interessante de ser contada, caso seja concretizada: Dani Alves eliminando a equipe que lhe faltou com gratidão. O início ruim do brasileiro contrasta com o desempenho nesta fase do campeonato europeu. Ele é o terceiro jogador com a maior quantidade de chances criadas para gol. Só Lucas (PSG) e Koke (Atlético de Madrid) têm mais - nenhum dos três, porém, estão bem ranqueados nas assistências (2, 1 e zero, respectivamente).


Getty Images
Getty Images

Classificação da Juventus passa pelos pés deste rapaz


E tem Alex Sandro, o protagonista alternativo. Com Mario Mandzukic dobrando com Gonzalo Higuaín na área, o outro brasileiro vai atacar insistentemente o lado mais frágil da retaguarda do Barcelona. Sergi Roberto evoluiu como interior pela direita do novo sistema com três zagueiros, entretanto, terá de buscar fôlego extra para acompanhar o croata e o lateral. Imagina então se Gerard Piqué, Ivan Rakitic ou o próprio Neymar recebem cartão amarelo e ficam de fora no Camp Nou…


Nem Alves, nem Sandro vão sentir a pressão dos argentinos bianconeros. Higuaín será cobrado pelo poder de decisão que lhe faltou nos campeonatos internacionais. O outro vai encarar Messi, a sombra do camisa 10 e do apelido de "novo Ele" que, por muito tempo, insistiram em chamá-lo sendo que o rapazote da Juve é, somente, o único Dybala. 


Ao término, esse é um confronto da Serie A. É a chance da Juventus mostrar que consegue enfrentar adversários do primeiro escalão, apesar de atuar em uma liga enfraquecida com rivais em processo de renovação após anos de sucateamento. O Porto era pra ser um ótimo teste - pena que parou nas próprias besteiras. Se conseguir classificar, teremos a prova que a Senhora tem capacidade de encarar equipes nota 5 toda semana e não viciar em embates modorrentos. 


Considerando que os panoramas nacionais permanecerão intactos, o Barcelona chega para o confronto de volta entre partidas contra Real Sociedad, que busca vaga em competição europeia, e Real Madrid. A Juve, por outro lado, joga contra Chievo (casa) e Pescara (fora) antes de viajar para a Espanha. Tem ainda o Genoa, que dificilmente causará tanto incômodo como no primeiro turno.


Allegri conseguiu ajeitar o Milan para vencer o Barcelona, em casa, escalando embustes dos níveis de Kévin Constant, Sulley Muntari e Phillipe Mexès numa oitavas de final de Liga. Se ele conseguiu isso uma vez, repetir - especialmente com um time melhor - é mais que possível.